Policial militar é investigado por ameaçar eleitor que negou vender voto no Ceará - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

26 de novembro: Show do Hungria em Camocim no Ilha Park

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quarta-feira, 5 de outubro de 2022

Policial militar é investigado por ameaçar eleitor que negou vender voto no Ceará



Um soldado da Polícia Militar do Ceará é investigado por ameaçar eleitores que não votariam no candidato dele. O agente, de nome preservado devido à atual situação do processo, teria efetuado disparos de arma de fogo com a finalidade de coagir eleitores de uma coligação contrária ao seu candidato à reeleição.


A informação vem da Controladoria Geral de Disciplina (CGD). Conforme a CGD, o investigado ainda teria ameaçado um eleitor que se recusou a vender o voto e instigado pessoas a acionarem a Coordenadoria Integrada de  de Operações de Segurança (Ciops) "com o objetivo de criarem falsas ocorrências, e assim desviar a atenção das equipes de serviço".


O fato teria acontecido durante o período eleitoral de 2020, na cidade de Guaiúba, no Interior do Ceará. Há informação que o caso já tinha começado a ser apurado, mas a instrução foi encerrada. 


A Controladoria determinou instauração de uma nova sindicância em desfavor do militar estadual, divulgando a investigação em publicação do Diário Oficial do Estado (DOE), dessa segunda-feira (3).


O QUE DISSE A VÍTIMA


A vítima supostamente ameaçada pelo policial prestou Boletim de Ocorrência. Na versão dela, a desavença foi motivada por questões políticas, quando o PM, acompanhado de outros dois homens, foram até a casa dela para tentar comprar voto.


Ela teria dito que seu voto não estava à venda e foi confrontada pelos suspeitos. Ainda segundo a versão da vítima que teria sido contada no Boletim de Ocorrência, 10 dias depois, ela foi perseguida por um veículo conduzido pelo PM.


Diário do Nordeste