União Brasil oficializa candidatura de Capitão Wagner para o Governo do Ceará - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 5 de agosto de 2022

União Brasil oficializa candidatura de Capitão Wagner para o Governo do Ceará


O União Brasil oficializa, na manhã desta sexta-feira (5), a candidatura do deputado federal Capitão Wagner ao Governo do Estado. A homologação ocorre em convenção partidária, realizada no campus da Unifametro, no Centro de Fortaleza, com a participação de lideranças do PL. A sigla deve indicar o candidato a vice ainda hoje.


Na ocasião, o União também homologa chapas de deputados federais e estaduais. Apesar de integrar a aliança partidária em prol de Capitão Wagner, o PL vai realizar a sua convenção de forma separada, nesta sexta, às 16h, no ginásio de uma escola no Eusébio.


Até agora, estão no páreo para o pleito de outubro no Estado: Capitão Wagner (União Brasil); o deputado estadual Elmano de Freitas (PT); o ex-prefeito Roberto Cláudio (PDT); Serley Leal (Unidade Popular); e Zé Batista (PSTU).


Assim como as candidaturas do cabeças das chapas, todos os vices também devem ser homologados até esta sexta-feira.


ALIANÇAS


A última semana foi uma verdadeira montanha-russa para as costuras políticas em torno da candidatura de Capitão Wagner no Ceará, marcada por um "perde-ganha" e vai e volta de partidos. O primeiro revés nas alianças construídas foi com o Solidariedade, que recuou do apoio a Wagner para fazer palanque para Elmano de Freitas e para o ex-governador Camilo Santana (PT) no Estado.


Nacionalmente, a legenda está alinhada à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas vinha adotando postura diferente em alguns estados, como era o caso no Ceará. No entanto, o acordo firmado pelo presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), com Wagner em julho foi desfeito após cortejos do ex-governador Camilo Santana e articulações a nível nacional.


Ainda na mesma semana, mudanças no comando nacional do Pros estremeceram a posição da legenda no Ceará, inclusive com substituições na direção local. De um dia para o outro, o partido retirou o apoio ao deputado federal para também se coligar a Elmano e Camilo, mas teve a decisão revertida na Justiça e voltou à aliança com Capitão Wagner.


Diário do Nordeste