Candidatos a governador do Ceará falam de segurança, saúde e alfinetam padrinhos políticos em debate - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





terça-feira, 30 de agosto de 2022

Candidatos a governador do Ceará falam de segurança, saúde e alfinetam padrinhos políticos em debate


O primeiro debate entre os candidatos ao Governo do Ceará, realizado nesta segunda-feira (29), foi marcado por embates diretos entre o deputado estadual Elmano de Freitas (PT), o deputado federal Capitão Wagner (União) e o ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT). Temas como segurança e saúde foram os que mais dividiram os postulantes no encontro promovido pela TV Cidade.


Os assuntos ainda foram tomados para embasar críticas diretas entre os candidatos e também aos padrinhos políticos dos postulantes. Lideranças políticas como o ex-presidente Lula (PT), o ex-governador Camilo Santana (PT), o atual presidente Jair Bolsonaro (PL), o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), e a ex-prefeita da Capital Luizianne Lins (PT) foram lembrados na discussão como forma de “atacar” adversários.


SEGURANÇA


O assunto segurança dominou boa parte do debate. Umas das ênfases foi o combate às facções e ao crime organizado, e as propostas que podem enfrentar essa realidade. Wagner voltou a mencionar a promessa de implantação de um escritório de inteligência policial no Ceará em parceria com o FBI e a Polícia Federal. Esta proposta foi alvo de questionamentos e críticas dos demais candidatos. 


O candidato do União Brasil enfatizou que “as facções tomaram conta das comunidades, e ditam as regras de convivência”. Disse que buscou em outras cidades e países experiências exitosas para combater a violência no Ceará. Sobre o videomonitoramento, destacou a necessidade de investir no reconhecimento facial, mas em tom crítico apontou que "o foco das câmeras deve ser combater o crime e não multar o cidadão".


Em paralelo, Roberto Cláudio e Elmano  questionaram a proposta do FBI. Em crítica direta, Roberto Cláudio enfatizou que a ideia “é uma fantasia, uma ilusão”, e acrescentou que, se eleito, ele fará 14 delegacias regionais e irá transformar a Delegacia de Combate às Ações Criminosas Organizadas (Draco) em um Departamento de Inteligência. 


Já Elmano problematizou a participação do agente do FBI na propaganda de Wagner, que retrucou enfatizando a importância do agente, dizendo que o mesmo ajudou na captura de Sandam Hussein. Na área da segurança, Elmano reforçou que deseja ampliar o Raio, e a inteligência na polícia, e ressaltou a necessidade de unir esforços com o Governo Federal. 


Tanto Elmano como Roberto Cláudio em momentos distintos, ao abordar a segurança, também chegaram a mencionar que Wagner teria participado do motim da PM em 2020 no Ceará. No debate, Wagner não respondeu às falas sobre esse ponto especificamente. 


SAÚDE


Outro ponto de destaque na campanha e que predominou no debate são as propostas para a saúde. Nesse tópico a interiorização das ações de saúde foi ponto de questionamentos e argumentos.  


Roberto Cláudio reiterou a ideia de criação de cinco hospitais para o tratamento do câncer no interior do Estado, enquanto Elmano defendeu que, se eleito, as estruturas já existentes dos hospitais regionais serão usadas também para essa finalidade. “O irmão de Quixelô e Iguatu tem que vir para cá (Fortaleza) tentar um diagnóstico. Muitos morrem. Quero também fazer um programa para colocar o médico nos postos de saúde, o Mais Medico Ceará”, detalhou Roberto. 


Já Elmano, prometeu concluir o Hospital da Uece, fazer o Hospital Regional da Região Centro Sul e completou. “Vou aproveitar o que já está feito, os regionais, o Cariri, Sertão Central, Zona Norte, nesses hospitais, vou colocar o atendimento de câncer, não vai ficar esperando o prédio, e vou construir mais três polos regionais, isso sim é experiência". 


Wagner e Roberto Cláudio também enfatizaram que o Hospital de Quixeramobim e o Limoeiro não funcionam plenamente. Wagner, como proposta, afirmou que pretende implantar a telemedicina “para que o paciente possa se consultar com vários especialistas do Ceará. O que mata não é a doença, é a falta de acesso”, argumentou. Em relação à saúde mental, o candidato destacou que pretende implementar em todos os Hospitais Regionais atendimento pediátrico e mental.


PADRINHOS POLÍTICOS


A influência de padrinhos políticos na campanha foi um tema explorado pelos três candidatos. Elmano, por exemplo, acusou Wagner de querer “esconder” que é aliado de Jair Bolsonaro. O mesmo ataque foi feito por Roberto Cláudio, que ainda citou a gestão da ex-prefeita Luizianne Lins para atacar o petista. Já o pedetista foi acusado de ser “ingrato” por criticar a gestão do ex-governador Camilo Santana, de quem era aliado. Wagner, por outro lado, apontou que os dois adversários têm padrinhos políticos.


Wagner foi definido por Roberto Cláudio como “fervoroso defensor do bolsonarismo”. “De um lado, um candidato que esconde seu padrinho político, do outro, um que não responde uma pergunta sem citá-los (...) Não estou aqui para fazer defesa de quem fez parceria comigo no passado, meu papel é criar um novo ciclo”, disse o candidato do PDT sobre Elmano e Camilo. Ele ainda atacou a ex-prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins.


“Queria lamentar a obsessão que ele tem com minha amiga Luizianne Lins. Os Cucas, o Hospital da Mulher, o fardamento escolar, a tarifa social, tudo foi a Luizianne quem fez. Esse mesmo olhar ele não tem para o Sarto, são dois pesos e duas medidas (...) Não tenho padrinho político, tenho irmãos de projeto para mudar o Brasil”, disse Elmano. Entre os “irmãos de projeto”, ele citou Lula, Camilo e a atual governadora Izolda Cela (sem partido). 


Já Wagner rebateu os dois adversários, mas concentrou as críticas contra Roberto Cláudio. “Quero repudiar a violência política de gênero contra Luizianne Lins e contra a atual governadora Izolda Cela, que não teve direito de concorrer à reeleição", disse. “Fico feliz com a mudança de posicionamento de vocês, que estiveram no Governo por 16 anos para mudar essa realidade e não fizeram”, acrescentou.


EDUCAÇÃO


Uma das principais bandeiras do grupo governista, o tema educação também dividiu os candidatos. Em meio a críticas entre os postulantes à atual gestão e a governos anteriores, os três concorrentes apresentaram suas propostas para o setor e comentaram sobre o pagamento dos precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) aos professores.


“Queria olhar para os professores e garantir o pagamento dos precatórios do Fundeb. Olhar também para os técnicos das escolas profissionalizantes, que são tratados de forma desigual, e dizer que eles terão os mesmos direitos (...) Pais dos alunos sonham com seus filhos estudando em escolas militares, vamos ampliar (...) Também teremos uma parceria com o IFCE para capacitar 50 mil jovens”, disse Wagner.


Já Elmano criticou a gestão de Roberto Cláudio na Prefeitura de Fortaleza. “Não pagou os precatórios dos professores. Eu já aprovei a lei que vai pagar os precatórios aos professores do Estado, diferente de Fortaleza, e garantimos que 60% dos recursos só poderão ser usados para os professores”, disse. “Já conseguimos 60% das escolas em tempo integral e vamos chegar a 100%. Também quero ampliar os centros de idiomas”, prometeu.


Roberto Cláudio respondeu às críticas citando a experiência como prefeito. “Quero apoiar os municípios a implantar o tempo integral no ensino fundamental e ser uma saída para a educação e para a segurança, é promoção de paz, quero fazer uma grande rede estadual de capacitação do jovem para o trabalho, uma promoção de programação e robótica para capacitar os jovens”, concluiu.


Diário do Nordeste