Apoio do PSDB ao PDT consolida reaproximação de Tasso e Ciro e fortalece chapa de Roberto Cláudio - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





terça-feira, 2 de agosto de 2022

Apoio do PSDB ao PDT consolida reaproximação de Tasso e Ciro e fortalece chapa de Roberto Cláudio


O anúncio de que o PSDB irá apoiar a candidatura de Roberto Cláudio (PDT) ao governo do Estado, um dos importantes movimentos partidários da reta final das convenções, consolida a reaproximação política entre o senador Tasso Jereissati e o candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes.


A chegada dos tucanos fortalece o palanque pedetista que, até agora, tinha confirmado apenas PSD e PSB para a disputa eleitoral. O Cidadania, que forma federação com o PSDB, nacionalmente, também apoia o candidato do PDT.


A nota de confirmação da posição tucana foi emitida não pelo presidente Estadual da sigla, Chiquinho Feitosa, mas pelo próprio senador Tasso Jereissati, líder maior do Partido no Estado.


E isso traz consigo uma simbologia: Chiquinho havia feito tratativas para ser suplente de senador na chapa que terá o ex-governador Camilo Santana como candidato.


Os movimentos de Chiquinho Feitosa em direção ao PT tinham apoio internamente, inclusive entre alguns pré-candidatos a deputado da legenda. Entretanto, desagradavam a ala mais tradicional do partido, que tem figuras como o ex-presidente Luiz Pontes.


A articulação com os petistas gerou ainda alguma insatisfação no ninho tucano entre os pré-candidatos a deputado federal por conta da saída do próprio Chiquinho da disputa por uma vaga na Câmara dos Deputados, o que enfraqueceria a chapa.


O fato é que a confirmação de apoio à chapa do PDT é uma sinalização de que, embora haja um presidente em exercício, a liderança do PSDB é de Tasso Jereissati.



O movimento do PSDB carrega também uma simbologia histórica para duas lideranças consolidadas no Ceará: Tasso e Ciro. Ao encerrar mais oito anos de mandato no Senado, o tucano se despede da vida pública ao lado do pedetista de quem foi parceiro desde o seu primeiro governo no fim da década de 1980.


Neste período, os dois passaram uma década rompidos politicamente, entre 2010 e 2020, mas retomaram aparceria nas urnas na eleição de José Sarto à Prefeitura da Capital.


Ao anunciar novo apoio, Tasso consolida a reaproximação com Ciro Gomes, mesmo em um cenário em que havia se posicionado a favor da manutenção da aliança entre os partidos.


Recentemente, o pedetista, por sua vez, declarou que esta pode ser sua última eleição. “Porque, se eu não ganho agora, vou botar a viola no saco”, disse. Embora não seja propriamente uma novidade os anúncios de aposentadoria de Ciro, a confirmação da saída dos dois constitui o fim de uma era na política cearense. 


Diário do Nordeste