Varíola dos macacos não tem potencial de causar surtos no Ceará, afirma secretária executiva da Sesa - Revista Camocim

Postagem em destaque

Comunicado do Colégio Future: confirme sua matrícula até o dia 13 de dezembro.

Diante da grande demanda, aqueles que não confirmarem a matrícula poderão perder a vaga reservada. CONFIRMAÇÃO DE MATRÍCULA 2023 Pedimos a t...

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 1 de julho de 2022

Varíola dos macacos não tem potencial de causar surtos no Ceará, afirma secretária executiva da Sesa



A secretária executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), Sarah Mendes, afirmou em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (30) que a varíola dos macacos não tem potencial para gerar surtos no Ceará. O Estado confirmou o primeiro caso da doença na última quarta (29).


Epidemiologista e especialista em Vigilância em Saúde, ela explica que, como a principal via de transmissão da condição da “monkeypox” é através do contato com as lesões na pele, a disseminação se torna mais difícil de acontecer em relação a outras doenças.


“A gente ficou muito sensibilizado com a Covid porque ela é de transmissão respiratória e tinha muitos grupos suscetíveis, mas na varíola dos macacos não pensamos nela como um potencial causador de surtos”, argumenta.


O epidemiologista Antônio Lima, da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS), emenda: “é uma possibilidade muito remota porque é outro mecanismo de transmissão e os casos são esporádicos. Mesmo na Inglaterra, você não teve grandes surtos localizados”.


Para ele, o ineditismo do fenômeno é a doença ter saído de suas áreas endêmicas, no Congo e na África Ocidental, mesmo havendo vacinas e antivirais específicos para combatê-la.


MANEJO DOS CASOS


Segundo Sarah Mendes, a referência estadual para o tratamento de possíveis infectados é o Hospital São José de Doenças Infecciosas (HSJ). A secretária executiva garante que todas as regiões de saúde estão orientadas a como proceder diante de um caso suspeito: reconhecer o paciente, notificá-lo e encaminhá-lo para o hospital de referência para a coleta de material para testagem.


notificações da varíola dos macacos foram registradas no Ceará; três casos foram descartados e mais 10 seguem em investigação.

Além do isolamento, a médica infectologista Tânia Coelho, Secretária Executiva de Atenção à Saúde e Desenvolvimento Regional, orienta aos pacientes infectados a usar máscara porque “ele pode ter lesão na boca, tossir e transmitir”, embora o principal modo de transmissão seja o contato físico.


Conforme a especialista, na evolução da doença, o paciente apresenta lesões na pele e precisa ficar em isolamento até a cura. Porém, a doença geralmente se complica em recém-nascidos, crianças e pacientes com imunodeficiência. 


ESTADO DO PACIENTE


Durante a coletiva de imprensa, as autoridades de saúde informaram que o primeiro paciente infectado do Ceará, de 35 anos, mora em Fortaleza, mas se deslocou entre São Paulo e Rio de Janeiro, estados com casos já confirmados da doença. Ele recebeu atendimento médico e está atualmente isolado em casa. 


A titular da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS), Ana Estela Leite, disse que a Pasta está atuando no rastreamento e monitoramento das pessoas que tiveram contato com o homem.


Diário do Nordeste