"O PDT decidiu romper, agora é discutir a candidatura própria", diz Elmano de Freitas - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quarta-feira, 20 de julho de 2022

"O PDT decidiu romper, agora é discutir a candidatura própria", diz Elmano de Freitas


O deputado estadual licenciado e líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE), Elmano de Freitas, disse que o partido interpreta que o PDT "decidiu romper a aliança" de 16 anos ao escolher, em eleição nesta segunda (18), o ex-prefeito Roberto Cláudio para concorrer ao Governo do Estado, evitando a tentativa de reeleição da governadora Izolda Cela (PDT).


Uma reunião do diretório na tarde desta terça-feira (19) deve ser o primeiro passo formal para definições sobre um eventual racha com o PDT, deixando aliados históricos em lados opostos nas Eleições 2022.


De acordo com parlamentares do PT, o ex-governador Camilo Santana está no centro da decisão, inclusive para indicar quem estará na composição de chapa.Camilo havia declarado apoio ao nome da Chefe do Executivo para a sucessão.


A perspectiva interna, segundo interlocutores, é de que o PT não vai realizar prévias para indicação de um candidato, mas que "aliados de outros partidos poderão fazer sugestões", explica Elmano.


Nesta segunda-feira, após confirmação do nome de Roberto Cláudio, o vice-líder nacional do PT, deputado José Guimarães, já adiantou que a decisão será em conjunto com MDB, PP, PCdoB e PV.


Tanto o PT como o MDB e o PP defendiam o nome da governadora Izolda Cela para a sucessão Estadual, dando acenos de que o racha no grupo governista poderia ser concretizado caso ela não fosse a escolhida.


PDT AINDA TENTA ALIANÇA


Apesar da perspectiva de rompimento, o presidente do PDT no Ceará, deputado federal André Figueiredo, em postagem nesta terça-feira, indicou que ainda há um esforço para manutenção da aliança. 


"Foi um processo democrático do partido (a escolha de Roberto Cláudio), e agora vamos sentar para conversar com todos nossos aliados, e estabelecer a melhor estratégia de vitória", escreveu o parlamentar. 


Após a decisão por maioria do PDT, o próprio Roberto Cláudio afirmou que vai procurar lideranças. 


"A primeira tarefa nossa agora é celebrar e construir nossa unidade interna, depois disso procurar também, humildemente, todos os nossos aliados que compõem a nossa aliança hoje, procurar o ex-governador Camilo Santana, procurar todo mundo para conversar e manter a aliança o mais ampla possível"


O QUE PENSAM OS PETISTAS


O indicativo de que o Partido dos Trabalhadores lançará uma candidatura própria, se confirmado, deverá colocar Camilo Santana no lado oposto de parceiros históricos na política cearense.


O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) chegou a tratar o petista como "ex-aliado" durante entrevista ao Avesso Podcast há duas semanas. 


"Nossa interpretação é que o PDT rompeu a aliança, e agora cabe nós discurtirmos a construção de uma candidatura que respeite a aliança e que garanta a defesa do legado", disse Elmano Freitas.


O vice-presidente da AL-CE, deputado Fernando Santana, criticou a forma como o PDT conduziu o processo de indicação do candidato. 

"Lamento muito que o PDT tenha feito essa escolha assim de forma atropelada, ao meu ver, porque a Izolda tinha o direito a sua de reeleição", disse o parlamentar.


Ex-presidente estadual do PT e pré-candidato a deputado estadual, De Assis Diniz, destacou que houve gente dentro do PDT que buscou a continuidade da aliança. "Mas parte da cúpula do PDT não quis a aliança", completou. 


"Quem não quer construir unidade demonstrou isso ao longo desses dias com provocações, com reuniões inadequadas, com posturas que não constroem esse sentimento", afirma.


Ele disse ainda que o momento agora é de buscar um nome "que possa agregar o maior número de partidos" e ressaltou que quem tem 'a palavra final' é o ex-governador Camilo Santana.


Presidente do PT Fortaleza, o vereador Guilherme Sampaio afirma que a decisão do PDT por Roberto Cláudio como pré-candidato ao Governo do Ceará demonstra que foi deixado "em segundo plano a capacidade de escuta e de diálogo". Sem cravar uma candidatura própria do PT, ele afirma contudo que o partido lançar um nome é "uma das possibilidades".


"Apresentar à sociedade cearense uma alternativa que represente o que nós sempre defendemos: a unidade mais ampla possível, dentro da base de sustentação do governo, pra continuar o projeto e derrotar o fascismo no Ceará", completa. 

Ele reforçou ainda o papel de liderança de Camilo Santana que "sempre teve a prerrogativa de conduzir e liderar a própria sucessão".


MOVIMENTAÇÃO DO MDB


No mesmo dia em que o PDT definiu lançar Roberto Cláudio como candidato à sucessão Estadual, o ex-senador Eunício Oliveira (MDB) esteve reunido com o ex-presidente Lula (PT) em São Paulo para tratar da campanha eleitoral no Ceará. Após o encontro, o presidente do MDB no Estado disse que o diálogo foi "excelente".


De volta ao Ceará, petistas afirmam que Eunício está próximo das articulações com o partido. 


Diário do Nordeste