No sufoco, servidores do SAAE de Camocim amargam 11 anos sem reposição salarial - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





terça-feira, 19 de julho de 2022

No sufoco, servidores do SAAE de Camocim amargam 11 anos sem reposição salarial


Os trabalhadores do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Camocim —  SAAE estão há 11 anos  sem reposição salarial, ou seja, com os proventos totalmente defasados. Fora isso, os encanadores trabalham nas ruas sem equipamentos adequados, no mais bruto e primitivo trabalho braçal, debaixo de sol e chuva, calejando mãos e pés, numa absoluta judiação do corpo e da mente, como se fossem animais de carga. 


E “ai de vós” se reclamardes! 


Definitivamente o governo Aguiar não gosta de servidores públicos efetivos. A linha do tempo facilmente comprova essa afirmação: salários defasados, falta de diálogo com as categorias, boicote às instituições representativas dos trabalhadores, perseguição, ações na justiça negando direitos e o escambau. 


De leste a oeste e de norte a sul da geringonça pública de Camocim a desvalorização do servidor é um caso de 'prego batido e ponta virada'. E a prefeita Elizabeth Magalhães, a exemplo dos seus donos políticos, o casal Aguiar, Sérgio e Monica, prefere manter os contratados aos seus pés, pois são massa de manobra, sem poder de reivindicar de direitos —  Contratado tem o direito de ficar calado, exercer a função de bajulador e ser humilhado. 


Mas, voltando para questão do SAAE, os trabalhadores precisam 'colocar a boca no trombone', denunciar as injustiças onde for preciso para conseguirem as melhorias almejadas. Caso contrário, vão continuar na peia. 

 

Carlos Jardel