Frio no Ceará? Cidades chegam a temperaturas mínimas abaixo de 20°C - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quinta-feira, 14 de julho de 2022

Frio no Ceará? Cidades chegam a temperaturas mínimas abaixo de 20°C


O fim da quadra chuvosa no Ceará, no mês de maio, inicia o período da pós-estação, que engloba junho e julho. As precipitações tendem a cair, assim como a temperatura nas cidades cearenses. Por isso, pode fazer mais frio em algumas localidades, mas não de forma expressiva. 


O fim da quadra chuvosa no Ceará, no mês de maio, inicia o período da pós-estação, que engloba junho e julho. As precipitações tendem a cair, assim como a temperatura nas cidades cearenses. Por isso, pode fazer mais frio em algumas localidades, mas não de forma expressiva. 


Segundo a Funceme, essa época do ano coincide com o inverno no hemisfério sul, mas a estação não tem grande influência no Estado. O meteorologista da Funceme, Frank Baima, explica que o leve esfriamento é “normal” com base na climatologia do Ceará, e especialmente nas regiões de serra.


Nesse período, já começamos a perceber redução de chuvas e nebulosidade. Sem nuvens, existe uma perda de radiação ao longo da madrugada e início da manhã, quando há os principais registros dessa temperatura mínima. Com céu claro, se perde radiação.

FRANK BAIMA

Meteorologista da Funceme



Conforme o especialista, a percepção das temperaturas mais baixas é mais comum no interior do Estado. Isso porque a região litorânea está sujeita a regimes de continentalidade e maritimidade, ou seja, há mais umidade e a diferença entre as temperaturas máxima e mínima tende a ser menor. Já em cidades do interior, essa amplitude é maior.


Assim, o calor comum do Ceará pode ter alívio entre junho e agosto. Se as temperaturas máximas diurnas podem chegar perto dos 30°C, as noites e madrugadas tendem a apresentar um tempo mais agradável. 



FRIOS HISTÓRICOS


A Funceme também repassou ao Diário do Nordeste uma tabela com as menores temperaturas já registradas historicamente durante o mês de junho, no Ceará. Confira:


Tauá (1996) - 13.6ºC

Barbalha (1996) - 14.5ºC

Guaramiranga (2003) - 15.5ºC

Iguatu (2006) - 15.9ºC

Quixeramobim (2008) - 16.0ºC

Sobral (2008) - 16.4ºC

Morada Nova (2020) - 17.5ºC


SENSAÇÃO TÉRMICA


A temperatura medida oficialmente também pode se diferir da sensação térmica, que é como o corpo percebe a temperatura. A sensação pode ser amenizada pelos ventos que começam a se intensificar até chegar ao mês de setembro, quando as médias de velocidade são maiores. 


Porém, de acordo com Frank Baima, embora os ventos tenham ficado mais evidentes, eles ainda estão dentro da normalidade. Assim, a sensação térmica “depende muito de pessoa para pessoa”.


Diário do Nordeste