Em meio à crise na base governista, líderes do PDT devem se reunir com Camilo Santana - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quarta-feira, 13 de julho de 2022

Em meio à crise na base governista, líderes do PDT devem se reunir com Camilo Santana

Os entendimentos para tentar encerrar o impasse ou pelo menos amenizar o racha entre as lideranças do grupo governista no Estado deverá ter um novo capítulo nesta quarta-feira (13). Como parte do esforço para reaproximar as lideranças, o presidente estadual do PDT, André Figueiredo, e o presidente da Assembleia Legislativa, Evandro Leitão, devem se encontrar com o ex-governador Camilo Santana (PT).


A conversa é mais uma tentativa de evitar o rompimento iminente da aliança que dura 16 anos entre os dois partidos. A busca pelo diálogo foi um dos consensos da última reunião, ocorrida na segunda-feira (11) entre os deputados estaduais e federais e o comando local do PDT com André Figueiredo e Ciro Gomes.


Os parlamentares, na ocasião, fizeram um apelo ao comando para que o senador Cid Gomes retorne às articulações. Alguns deles disseram, até de forma dura, que se Cid estivesse na liderança do processo, o impasse já teria sido resolvido.


Quem acompanha o processo de perto sabe que uma reunião como essa dificilmente resolverá os problemas. Entretanto, diante do clima conturbado, o diálogo, apostam alguns deputados, pode reabrir as portas da negociação.


Lideranças de lado a lado terão até domingo (17) para chegar a um entendimento. É a véspera do encontro do Diretório Estadual do PDT em que haverá o apontamento do candidato. Os esforços são no sentido de acordar antes para evitar ainda mais desgaste, com dois candidatos disputando votos.


O encontro com Camilo Santana pode significar uma reabertura dos diálogos.


CLIMA TENSO PERSISTE


A reunião entre os deputados estaduais e federais do PDT com Ciro Gomes e o presidente estadual André Figueiredo não poderia ter sido calma. Como, de fato, não foi. O clima esteve tenso, com murro na mesa e tudo mais. É bem verdade que foi acalmando, mas até choro teve, para você ter uma ideia.


No fim das contas, ficou uma sessão desabafo em que os comandantes fizeram críticas aos liderados e ouviram as ponderações.


Como era de se esperar, a maioria externou seu apoio à governadora Izolda Cela, mas foi também consensual que houve erros de percurso dos dois lados, de apoiadores dela e do ex-prefeito Roberto Cláudio.


Foi pedido aos parlamentares que evitassem manifestações públicas nesta semana decisiva, embora esta recomendação tenha sido vista apenas como uma forma de passar a sensação de redução das divergências que têm gerado o impasse no partido.


Pelo menos ao que parece, porém, os ânimos só vão acalmar quando o candidato for escolhido. E, com certeza, algumas feridas ficarão abertas.


Diário do Nordeste