Após rusgas entre Camilo e Ciro, presidente do PDT diz que petista é "nosso pré-candidato ao Senado" - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





terça-feira, 12 de julho de 2022

Após rusgas entre Camilo e Ciro, presidente do PDT diz que petista é "nosso pré-candidato ao Senado"


O presidente estadual do PDT Ceará, deputado federal André Figueiredo, defendeu que o pré-candidato ao Senado apoiado pelo partido continua a ser o ex-governador Camilo Santana (PT). Na semana passada, o petista e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) tiveram queda de braço, na qual Ciro chegou a cogitar que Camilo seria um "ex-aliado".


"Deveremos ter, como nosso pré-candidato ao Senado, o ex-governador Camilo Santana", ressaltou Figueiredo. "Esperamos que essa unidade permaneça". 


A declaração foi feita em coletiva de imprensa após reunião entre deputados federais e estaduais do PDT e com a presença de Ciro Gomes, na manhã desta segunda-feira (11). O presidenciável não fez comentários sobre o ex-governador na saída do encontro. 


Segundo Figueiredo, o objetivo é buscar o ex-governador Camilo Santana ainda nesta semana para conversar sobre a sucessão estadual e para "encontrar um caminho que proporcione que a unidade desse projeto não dê margem a retrocessos". O encontro ocorreria antes do dia 18 de julho, data da reunião que irá que irá deliberar sobre qual pré-candidatura do PDT será escolhida para concorrer ao Palácio da Abolição. 


O deputado federal disse ainda que o diálogo entre as lideranças do PDT no Estado e o ex-governador é "permanente". 


"Nosso companheiro Ciro têm conversado, todos têm conversado com Camilo, mas sempre numa perspectiva de que diálogo não pode ser uma imposição unilateral. Tem que ter a compreensão de ouvir as partes e realmente compreender qual o melhor caminho para o Ceará", ressaltou. 


ATRITO ENTRE LIDERANÇAS


O aumento das tensões na aliança governista ocorre com o crescimento do acirramento entre os nomes da governadora Izolda Cela (PDT) e do ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT) na disputa para ser o candidato à sucessão estadual. 


Na última semana, Ciro indicou não ter certeza se Camilo continuava a ser um aliado no Ceará. "Era nosso aliado, ou é nosso aliado. Ainda não sei direito como é que vai desdobrar isso lá", ressaltou. 


"Lula é tão irresponsável que está lá se acertando com Eunício e já pegou o governador de lá - já prometeu que vai ser ministro - que era nosso aliado, ou é nosso aliado. Ainda não sei direito como é que vai desdobrar isso lá. Está lá a confusão danada produzida pelo Lula", disse Ciro ao Avesso Podcast.


Horas depois, Camilo fez publicação na qual coloca como "questão de justiça" a indicação de Izolda Cela como pré-candidata do PDT ao Palácio da Abolição. 


"Defender que seja dado à governadora Izolda Cela, do PDT, o direito a buscar a reeleição, por sua seriedade e competência, é questão de justiça", escreveu o petista nas redes sociais.


O ex-governador tem sido o principal fiador da pré-candidatura da atual governadora do Ceará à reeleição. Partidos aliados, incluindo o PT, tem pressionado o PDT para que ela seja a indicada do partido. Por outro lado, Ciro já demonstrou preferência pelo nome de Roberto Cláudio no início do ano, embora não tenha mais feito defesas incisivas da pré-candidatura do ex-prefeito. 


Diário do Nordeste