Pensão alimentícia para cachorros: STJ decide se ex deve contribuir com despesa dos pets - Revista Camocim

Postagem em destaque

Comunicado do Colégio Future: confirme sua matrícula até o dia 13 de dezembro.

Diante da grande demanda, aqueles que não confirmarem a matrícula poderão perder a vaga reservada. CONFIRMAÇÃO DE MATRÍCULA 2023 Pedimos a t...

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







terça-feira, 21 de junho de 2022

Pensão alimentícia para cachorros: STJ decide se ex deve contribuir com despesa dos pets



Animais de estimação têm direito a pensão alimentícia? É esta a pergunta que a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vão tentar responder no julgamento marcado para esta terça-feira (21), quando os ministros deverão apreciar o recurso de um ex-marido obrigado a pagar pensão alimentícia para quatro cachorros.


O homem foi condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) a pagar quase R$ 20 mil de ressarcimento, além de R$ 500 por mês até a morte ou alienação (entrega a outro tutor) dos quatro cães adquiridos pelo casal quando viviam em união estável. A decisão manteve a sentença da 1ª instância.


SUBSISTÊNCIA DIGNA DOS CÃES


No processo, a mulher alegou que, após a separação, arcou sozinha com os custos para cuidar dos animais e por isso pediu na justiça que o ex fosse obrigado a pagar as despesas já realizadas e ainda arcasse com uma pensão para garantir a subsistência digna dos cães.


O TJ-SP entendeu ainda que não houve a prescrição alegada pelo ex-companheiro por considerar que, no caso, o prazo é o decenal, estabelecido no artigo 205 do Código Civil (CC). 


No Recurso Especial (REsp) levado ao STJ, ele alega que o prazo prescricional é de dois anos, por se tratar de prestações alimentares, exceção prevista no §2º do artigo 206 do CC.


JULGAMENTO RETOMADO


A Terceira Turma começou a julgar o caso em maio deste ano. O relator, ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, negou provimento ao recurso. Contudo, o ministro Marco Aurélio Bellizze pediu vista e as discussões foram suspensas.


O recurso foi inicialmente inadmitido. Entretanto, ao analisar um agravo do recorrente, o ministro Cueva deu provimento ao pedido, determinando a reautuação como recurso especial, o que levou o julgamento novamente para a Corte.


 Diário do Nordeste