Controladoria expulsa da PM oficial que comandou sessão de torturas contra garoto - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







segunda-feira, 23 de maio de 2022

Controladoria expulsa da PM oficial que comandou sessão de torturas contra garoto



O Conselho Permanente de Justificação da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário do Ceará decidiu, nesta quinta-feira (24), pela demissão de um oficial da Polícia Militar que comandou sessão de tortura contra um adolescente. O crime de abuso de autoridade e violência ocorreu em agosto do ano passado e acabou sendo filmado e as imagens divulgadas na Imprensa e em redes sociais.


O tenente da PM Leonardo Jader Gonçalves Lírio foi considerado “incapacitado e definitivamente inabilitado para permanecer no Serviço Ativo da Polícia Militar”, de acordo com a decisão tomada, ontem, pelos membros do 1º Conselho Permanente Militar da Controladoria Geral de Disciplina e Justificação.


A decisão foi unânime de todos os membros da entidade. Caberá agora ao Comando Geral da PM a elaboração de um relatório conclusivo do caso para que o governador Camilo Santana assine o ato de expulsão do oficial.


Tortura


O crime ocorreu na manhã do dia 28 de agosto de 2018, quando várias patrulhas da Polícia Militar faziam uma operação no bairro Bela Vista, em Fortaleza, para localizar armas e drogas escondidas por traficantes da região. Durante as buscas, uma patrulha da PM deteve um adolescente morador do bairro e o levou até um terreno baldio, onde ele passou a ser torturado pelos militares.


Moradores de casas próximas usaram a câmera de seus celulares para filmar a tortura. O garoto e jogado no chão e sufocado com um saco plástico com água, provocando o seu sufocamento (asfixia mecânica) . O método de tortura é conhecido na linguagem policial como “saco”.  Os PMs exigiam que ele revelasse onde estavam os traficantes, as armas e drogas.  Além do “saco”, o garoto sofreu espancamentos.


Prisão


Na investigação realizada pela CGD foram indiciados o tenente  Leonardo Jader Lírio e outros três PMs que teriam colaborado ou sido omissos durante a sessão de torturas. São eles: Jean Claude Rosa dos Santos, Carlos Henrique dos Santos Uchoa e José Alexandre Sousa da Costa.


Em julho último, a pedido do Ministério Público, a Justiça decretou a prisão do tenente,  por ele ter ameaçado uma testemunha do caso que foi depor na CGD.


Diário do Nordeste