Camocim: Comitê Popular de Luta protestou contra Bolsonaro no 1º de Maio. - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Para mais mais informações, clique na imagem





terça-feira, 3 de maio de 2022

Camocim: Comitê Popular de Luta protestou contra Bolsonaro no 1º de Maio.


Recentemente formado em Camocim, o Comitê Popular de Luta, saiu às ruas no Dia do Trabalhador, 1.º de Maio, para protestar contra o presidente Bolsonaro e suas pautas de governo em desfavor dos trabalhadores, movimentos populares, sindicais, meio ambiente, cultura e contra o estado democrático de direitos. 


Faixas, cartazes e falas denunciando a postura do Governo Bolsonaro marcaram todo o percurso da caminhada, que saiu da Praça da Rodoviária, passando pela Beira Mar e finalizando na Praça Pinto Martins, no centro comercial. 


O Comitê é formando por sindicatos, associações e partidos de esquerda que atuam em Camocim, dentre eles o PCdoB, PT, PV e PSOL.


Camocim não vota Bolsonaro


Bolsonaro em Camocim, assim como em todo o Nordeste, foi derrotado humilhantemente nas urnas, com apenas 24,68% dos votos contra 75,32%  do candidato do PT, Fernando Haddad.


A expectativa para este ano, alimentada pelas pesquisas, é de que  Bolsonaro seja derrotado em Camocim pelo ex-presidente Lula  com um diferença ainda maior.


Atividades


Na pauta do Comitê consta a organização de outras atividades a serem planejadas e desenvolvidas em Camocim em prol  da candidatura do ex-presidente Lula e em favor da Democracia. 


Alfinetada


Veja bem: os bolsonaristas do município, que seguem sem liderança local, no sonho de Alice, acreditam que o presidente, que tirou apenas 8.274 votos em Camocim, irá bater nas urnas locais o ex-presidente Lula e os mais 25.255 votos da eleição passada. 


Com tudo inflacionado [Luz, gás, combustível, cesta básica, desemprego, mortes da Covid-19] e com pautas que alimentam o preconceito contra os pobres, negros, índios, comunidade LGBTQIA+, o machismo e a violência, eles[bolsominions], ainda se imaginam a coca-cola do deserto alimentando hipocritamente o falso discurso de "Deus, família e pátria" 


Carlos Jardel