Vereador e ex-PM carioca Gabriel Monteiro é acusado de assédio moral e sexual por ex-funcionários - Revista Camocim

Postagem em destaque

Comunicado do Colégio Future: confirme sua matrícula até o dia 13 de dezembro.

Diante da grande demanda, aqueles que não confirmarem a matrícula poderão perder a vaga reservada. CONFIRMAÇÃO DE MATRÍCULA 2023 Pedimos a t...

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 1 de abril de 2022

Vereador e ex-PM carioca Gabriel Monteiro é acusado de assédio moral e sexual por ex-funcionários

LEIA TAMBÉM: Vaza vídeo do vereador Gabriel Monteiro fazendo sexo com menor de 15 ano; policia investiga o caso.



Servidores e ex-funcionários do vereador, youtuber e ex-policial militar carioca Gabriel Monteiro o acusam de assédio moral e sexual. As denúncias foram exibidas em reportagem do Fantástico deste domingo (27). 


A reportagem exibiu depoimentos de cinco pessoas que teriam sido vítimas do vereador: três servidoras, uma ex-funcionária e uma mulher que teria tido relações sexuais com ele. 


Gabriel Monteiro foi o terceiro vereador mais votado no Rio de Janeiro nas eleições de 2020, com mais de 60 mil votos. Na internet, tem 23 milhões de seguidores.


Luiza Batista gravava vídeos para as redes sociais do vereador e é uma das pessoas que o acusam de assédio. Ela contou ao Fantástico que ele a abraçava por trás, dizia que a amava, beijava o seu rosto e andava nu.


“Uma vez foi no carro. Ele começou pedindo pra fazer massagem no meu pé (...) Eu tentava tirar o pé e ele segurava. Aí foi começando a passar a mão nas minhas pernas. Foi para o banco de trás e começou a me agarrar, me morder, me lamber”, disse ela. Após sete meses trabalhando para ele, Luiza afirma ter procurado um psiquiatra.


Outra mulher, que não foi identificada, disse ter praticado sexo consentido com Gabriel Monteiro, mas alega que no meio da relação o ato evoluiu para um estupro, pois ela pediu para ele parar e não foi atendida. 


"Teve um momento que ele usou força. Me segurou e foi com tudo. Me deixou sem saída. Eu pedindo para ele parar, ele não respeitou o momento em que eu pedi para ele parar", disse. 


Também sem ser identificado, outro funcionário disse que era obrigado a cumprir expediente na casa de Gabriel, onde presenciou cenas constrangedoras, como o vereador andando nu na frente dos funcionários. 


"Várias vezes ele foi na parte da frente da varanda da casa, e em outros cômodos a gente já viu também, com o órgão sexual para fora. E se vangloriando do tamanho do pênis. E mesmo se masturbando na frente de toda a equipe", conta. 


CENAS FORJADAS


Conforme a reportagem do Fantástico, Gabriel também forjou cenas de seus vídeos no YouTube. Em um deles, ele simula ações de tiroteio com a ajuda de policiais militares. 


O vereador também encena a ajuda a uma criança. Em um material bruto ao qual a reportagem teve acesso, Gabriel é visto orientando a menina a dizer que está sem comida. Na versão editada e publicada em suas redes sociais, ele leva a criança ao shopping e ouve que "está comendo o que mais gosta".


VEREADOR NEGA AS ACUSAÇÕES


O vereador negou ao Fantástico as acusações de assédio. Sobre a criança induzida a dar o depoimento, disse que ela “recebeu a maior vaquinha da vida dela”. 


Diário do Nordeste