Sem assassinato por 4 anos: qual e como é a cidade do Ceará sem mortes violentas há mais tempo - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos






Para mais mais informações, clique na imagem





segunda-feira, 11 de abril de 2022

Sem assassinato por 4 anos: qual e como é a cidade do Ceará sem mortes violentas há mais tempo

Chaval, Meruoca e Moraújo estão entre as 10 cidades do Ceará sem mortes violentas desde janeiro de 2021.





Ao menos 14,8 mil vidas foram tiradas de forma violenta no Ceará entre 2018 e março de 2021. Homicídios, lesões corporais seguidas de morte, latrocínios e feminicídios que interromperam histórias e demarcam a violência extrema no cotidiano.


Mas, embora muitas vezes a sensação seja de que todas as áreas acumulam mortes, há um grupo seleto de cidades cearenses que ficam até 12 meses sem assassinatos. No Ceará, um município tem o cenário mais otimista. Nenhuma dessas 14,8 mil mortes violentas ocorreu lá. 


Em Baixio, no Centro Sul do Estado, o último assassinato ocorreu em outubro de 2017. Precisamente, no dia 26 de outubro, conforme dados disponibilizados publicamente pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Desde então, felizmente, mortes violentas não foram registradas na cidade, cuja estimativa é de 6,3 mil habitantes. Para se ter ideia, 114 dos 121 bairros de Fortaleza têm a população maior que a de Baixio.  


“Já faz tanto tempo que eu nem lembro bem a data", diz o advogado Eugênio Farias, funcionário da central de regulação da Secretaria de Saúde do Município, sobre quando ocorreu um crime violento que tenha mobilizado a cidade. Ele reside em Baixio desde que nasceu, há 32 anos, e relata que, embora a localidade não esteja imune às mudanças na dinâmica da violência, ela pode ser considerada pacífica.  


Dado o contexto, andar pelas ruas sem medo de assalto, até mesmo em horários menos movimentados, e sentar na calçada, na praça, ou outros locais de encontro, para conversar são ações e sentimentos experimentados. Isso, segundo ele, porque há “ausência de ameaças” na cidade em que “nada acontece”.


O técnico da Secretaria de Cultura, Willian Ferreira, de 26 anos, diz que a família reside em Baixio “desde sempre”. A cidade, avalia ele, “é a mais tranquila em relação à segurança social quando comparada aos municípios vizinhos”. 


Acho que faz muito tempo desde que se ouviu falar em assassinato dentro de Baixio. Por ser uma cidade pequena, as pessoas aprenderam a se respeitar civilizadamente e acredito que com isso venha ocorrendo essa baixa na questão de crimes e assassinatos.

WILLIAN FERREIRA

Técnico da Secretaria de Cultura

 

CARACTERÍSTICA DE BAIXIO


  • População: 6.318 pessoas - estimativa de 2021;
  • Escolas: 3 na zona urbana (2 municipais e 1 estadual) e 2 na zona rural;
  • Unidade de Saúde: Hospital São Francisco;
  • Assistência social: CRAS Maria Pires Lustosa;
  • Órgão de segurança do município: Guarda Civil Municipal, com 8 agentes
  • Grupo de cidades sem mortes violentas

Baixio, no atual momento, é a cidade que há mais tempo não registra mortes violentas no Estado. Conforme a análise dos dados da SSPDS, Altaneira e Tarrafas, ambas cidades do Cariri, não registraram ocorrências do tipo em 2020, 2021 e 2022, até março. 


Os dados da SSPDS de abril ainda não estão consolidados, mas as informações preliminares reforçam que Baixio, Altaneira e Tarrafas não contabilizam crimes do tipo também neste mês. 


Outras 10 cidades, desde janeiro de 2021 não têm mortes violentas:


  • Antonina do Norte
  • Arneiroz
  • Caririaçu
  • Catarina
  • Chaval
  • Hidrolândia
  • Meruoca
  • Moraújo
  • Piquet Carneiro
  • Potiretama

Apesar de serem de regiões distintas, todos os municípios listados são de pequeno porte. 


Delas, somente Caririaçu e Catarina são de pequeno porte II, cuja população vai de 20 mil a 50 mil habitantes. Nas demais, o número de residentes é menor que 20 mil. 


Diário do Nordeste