Primeiro ataque de peixe-leão no Brasil aconteceu na Praia de Bitupitá, em Barroquinha. - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Para mais mais informações, clique na imagem





terça-feira, 26 de abril de 2022

Primeiro ataque de peixe-leão no Brasil aconteceu na Praia de Bitupitá, em Barroquinha.

 Pescador deu entrada na UPA de Camocim com febre e convulsão



Um peixe-leão causou o primeiro acidente em contato com o ser humano do Brasil: um pescador cearense foi atingido pelo animal na praia de Bitupitá, em Barroquinha, no último sábado (23). O homem teve febre e convulsões por causa do ferimento e é acompanhado em unidade hospitalar de Camocim.


O pescador trabalhava em um curral de pesca - estrutura para prender peixes - quando teve o pé furado pelo animal invasor e venenoso. Depois disso, começou a apresentar febre e convulsões, sendo atendido em hospital no mesmo dia.


Por permanecer com mal-estar, o homem voltou a ser atendido na manhã desta segunda-feira (25). Durante o atendimento, também chegou a ter 2 paradas cardíacas, como informam pesquisadores que acompanham o caso. O avistamento do peixe-leão pode ser relatado aos pesquisadores (veja o contato abaixo).


“Não sabemos se as paradas cardíacas tiveram a ver, mas a gente sabe da (relação da) febre e das convulsões”, explica Marcelo Soares, professor e pesquisador no Instituto de Ciências do Mar (Labomar) da Universidade Federal do Ceará (UFC).


Isso nunca foi registrado no Brasil, é o primeiro caso, então é importante dar o alerta, porque isso é começo, já que o peixe está aparecendo agora. À medida que o bicho vai aumentando (em quantidade) a tendência é ter novos casos

MARCELO SOARES


Pesquisador

Os acidentes com peixe-leão são mais facilitados com o cenário observado no Ceará, porque os animais aparecem na superfície - diferente de locais como Pará, Amapá e Fernando de Noronha, onde os bichos ficam afastados e em locais profundos.


“As pessoas não sabem o que é esse bicho novo e nem que ele é venenoso. Por exemplo, a gente viu nas redes sociais pessoas colocando num balde”, completa o pesquisador.


O que se sabe sobre o peixe-leão


Desde a primeira vez que o peixe-leão foi avistado no Ceará por pescadores, estudiosos cearenses e de instituições parceiras investigam qual o impacto da espécie invasora no Estado.


O bicho foi identificado em 2 novos locais, Itarema e na Praia de Bitupitá, mas já havia relatos do animal em Camocim, Acaraú, na Praia do Preá e em Jericoacoara.


“Visualizamos mais de 30 e capturamos 27. Toda semana, praticamente, estamos recebendo relatos de peixe-leão. Até o momento, os estudos avançaram nas últimas 3 semanas, nós localizamos em Itarema e Bitupitá”, reforça Marcelo Soares.


Os animais aparecem em até 9 metros de profundidade no Estado, conforme o que foi possível observar pelo grupo de pesquisadores. “A maioria desses registros do peixe-leão que a gente está encontrando são no que a gente chama de pesqueiros e isso é muito preocupante”, frisa.


Isso porque são em marambaias - estruturas como caixas de madeiras, pneus e até veículos que são imersos para criar uma espécie de recife artificial - e currais de peixes onde os bichos são encontrados.


Os currais são estruturas criadas para prender peixes e foi nesse caso que o cearense foi ferido. “O pescador pega a madeira, finca na rocha e cria uma cerca. Quando a maré sobe, os peixes ficam dentro desse curral e quando a maré baixa eles pegam esses peixes”, explica Marcelo.


Os animais capturados são encaminhados para o Labomar onde são feitos estudos sobre a reprodução dos bichos. Esse é um dos pontos mais preocupantes, porque o peixe-leão não tem predador e uma fêmea reproduz a cada 4 dias pondo 2 milhões de ovos por ano.


Estamos fazendo análise das gônadas - a parte reprodutiva -, já encontramos machos e fêmeas, mas estamos se o bicho está reproduzindo. Também estamos abrindo os estômagos dos peixes para identificar o que eles estão comendo da nossa fauna nativa

MARCELO SOARES


Pesquisador

Os pesquisadores buscam entender quais animais especificamente estão sendo comidos pelo peixe-leão, o que deve ser detalhado nos estudos, mas já se sabe que outros peixes e crustáceos são afetados.


Além da UFC, atuam cientistas ligados ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus Acaraú e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Projeto Conservação Recifal (PCR) também integram o grupo.


Como relatar um avistamento de peixe-leão


Quem avistar um peixe-leão pode entrar em contato com o Programa Cientista-Chefe de Meio Ambiente da Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (Sema). Nesse caso, pode ser enviadas informações como local, horário e fotos do avistamento.


E-mail: cientistachefesema@gmail.com


Diário do Nordeste