Gasolina Cortada na prefeitura continua prejudicando a saúde pública há três semanas - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Para mais mais informações, clique na imagem





segunda-feira, 11 de abril de 2022

Gasolina Cortada na prefeitura continua prejudicando a saúde pública há três semanas



O corte de abastecimento de combustível na prefeitura de Camocim, ordenado pela prefeita Betinha, a mando do deputado Sérgio Aguiar, por falta de pagamento no posto, há três semanas, continua prejudicando o funcionamento da máquina pública, principalmente os setores da saúde. 


Nos bastidores a problemática está sendo “guardada a sete chaves” pelas cúpulas das pastas municipais, para evitar vazamentos de informações para a população. Mesmo assim, o Revista Camocim, por uma fonte do governo, foi informado  que o deputado Sérgio Aguiar determinou a dispensa de  alguns veículos prestadores de serviços. 



“Estão abastecendo só os potos de saúde e uma topik. Os demais ainda continuam sem abastecimento. Os carros contratados que prestavam serviços a saúde foram dispensados”, disse a fonte.


Na Zona Rural os “carros de apoio” da saúde também estão parados, impossibilitando o atendimento emergente de moradores que necessitam de um hospital, dentre outros serviços na sede do município.


Populares também relataram ao blog a dificuldade que estão enfrentando para hemodiálise e outras demandas realizadas em Sobral. Sobre isso, a  fonte do blog informou que “estão mentindo para  as pessoas na secretaria da saúde, dizendo que os transportes já foram todos lotados, quando na realidade os transportes estão parados sem combustível”.


Atraso de pagamento dos transportes.


Donos de transportes aligados para o município, que entraram em contato com o Revista Camocim, denunciaram que o último pagamento recebido, referente a prestação do serviço, ocorreu no mês de fevereiro. “Já estamos no segundo mês sem pagamento”. 



Carlos Jardel