Supremo decide que procuradores de estado não têm direito a porte de arma - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quarta-feira, 16 de março de 2022

Supremo decide que procuradores de estado não têm direito a porte de arma



O plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF) invalidou normas estaduais que autorizavam porte de arma aos procuradores dos estados. A decisão foi por unanimidade. A relatora, ministra Cármen Lúcia, lembrou que os casos em análise integram um grupo de ações em que o procurador-geral da República, Augusto Aras, questionou legislação de vários estados.


“A competência privativa para legislar sobre o tema é da União e, nesse sentido, foi editado o Estatuto de Desarmamento, norma de caráter nacional que dispõe sobre direito de porte de arma aos agentes públicos”, disse a ministra.


De acordo com a ministra, “o STF já decidiu que pela competência privativa da União para autorizar e fiscalizar a produção de armas”.


Aras questionou no Supremo leis de 11 estados que tratam da organização de suas Procuradorias-Gerais ou Advocacias-Gerais e instituem, entre as prerrogativas funcionais do procurador de estado, o direito ao porte de arma de fogo.


Ceará News 7