Não é favor, é obrigação! Hospital de Camocim, mesmo sem querer, é bem pago para receber pacientes de Granja, Chaval, Barroquinha e Martinópole! - Revista Camocim

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!
Clique na imagem

Contato: (88)9 9937-1998

Contato: (88)9 9937-1998

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







segunda-feira, 28 de março de 2022

Não é favor, é obrigação! Hospital de Camocim, mesmo sem querer, é bem pago para receber pacientes de Granja, Chaval, Barroquinha e Martinópole!



O Hospital de Camocim, o Deputado Murilo Aguiar, recebe dos 05 municípios da microrregião, da União e do Estado, a cifra de R$ 1,5 milhão [um milhão e meio] para ser um hospital Polo, de referência, o que o torna receber obrigatoriamente os pacientes de Chaval, Granja, Barroquinha, Martinópole e Camocim. Não é favor. Reforço: é obrigação! 


Os pacientes dos cinco municípios são regulados para o Murilo Aguiar, que não raramente, segundo os relatos infindáveis, são mal atendidos. Existem denuncias de populares que por lá passaram dando conta da prática de negligência médica. Isso sem falar que, mesmo com os cofres cheios, o hospital deixa a desejar em equipamentos: tem dias que falta até esparadrapos! 


Já o hospital de Granja, que não pode fechar as portas para quem dele precisa, sendo de menor porte e sem ser o referencial, ou seja, sem ganhar dinheiro para isso, consegue obrar milagres, recebendo pacientes do interior de Camocim, Chaval, Martinópole e Barroquinha, justamente porque o Murilo Aguiar consegue ser indolente, incompetente e até corrupto. 


Para refrescar a memória alheia: lamentavelmente, a história prova que a oligarquia Aguiar costuma utilizar o hospital para fazer politicagem e até mesmo coisa pior. Basta lembrar de quando ele foi vítima de um inquérito da Policia Federal que atestou a prática de fraude no SUS, cometido pela  direção do Hospital, que registrava no sistema, procedimentos não existentes. Lembra? 


Carlos Jardel