Lollapalooza recorre de decisão que veta manifestações políticas dos artistas no festival - Revista Camocim

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!
Clique na imagem

Contato: (88)9 9937-1998

Contato: (88)9 9937-1998

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







segunda-feira, 28 de março de 2022

Lollapalooza recorre de decisão que veta manifestações políticas dos artistas no festival


A organização do festival Lollapalooza decidiu recorrer da decisão do ministro Raul Araújo, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que vetou manifestações eleitorais de artistas no festival neste domingo (27).


Para cada vez que a determinação fosse desobedecida, uma multa de R$ 50 mil foi estipulada para a organização do evento.


Ao recorrer da decisão, a organização do evento pede que a decisão seja revista e que não seja aplicada qualquer penalidade.


ENTENDA O VETO ÀS MANIFESTAÇÕES


A pedido do PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, o TSE  foi acionado no sábado (26), por conta das manifestações das cantoras Pabllo Vittar e Marina durante apresentação no festival, na sexta-feira (25), contra o atual chefe do Executivo e a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Segundo o PL, as falas das artistas configurariam uma propaganda eleitoral antecipada, o que é negado pela empresa responsável pelo evento.


"As manifestações referidas não têm natureza de propaganda eleitoral, mas sim de manifestação artística, política, de caráter pessoal, cujo conteúdo foi integralmente definido pelo artista, considerando seu repertório, sua compreensão do mundo e estilo característico", diz a empresa.


Os representantes do Lollapalooza ainda alertam para o risco de censura e afirmam que "não se pode querer transformar os eventos culturais em movimentos absolutamente neutros, sem participação política, sem que os legítimos interesses políticos sejam expressos, ou seja, não se pode querer que os diversos eventos sociais não possam ter uma participação ativa nas questões eleitorais".


O festival de música começou na sexta-feira (25), em São Paulo, e acaba neste domingo (27).


Diário do Nordeste