Comitivas da Rússia e da Ucrânia se encontram pela primeira vez desde começo da invasão - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

Comitivas da Rússia e da Ucrânia se encontram pela primeira vez desde começo da invasão



Comitivas da Ucrânia e da Rússia se encontram nesta segunda-feira (28) para negociar a possibilidade de uma interrupção das agressões russas.


É a primeira vez que representantes dos dois países se reúnem desde o começo da invasão, no dia 24 de fevereiro.


As comitivas já se encontraram, disse Mykhailo Podolyak, um assessor do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.


A delegação ucraniana chegou à fronteira do país com a Belarus para negociar com representantes russos, afirmou o gabinete da presidência da Ucrânia.


Para os ucranianos, os principais objetivos da negociação são um cessar-fogo imediato e uma saída das tropas russas que invadiram seu país.


O governo russo disse que espera que as conversas comecem imediatamente, mas não quis abrir quais são os objetivos.


O porta-voz do governo da Rússia, Dmitry Peskov, disse que a Rússia lamenta que as conversas não tenham começado um dia antes.


O grupo dos russos inclui representantes dos ministérios da Defesa e de Relações Internacionais, além de membros do gabinete de Vladimir Putin, o presidente.


O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, deu indicações de que não acredita que o encontro entre as comitivas pode ser frutífero: “Eu não acredito realmente no resultado desse encontro”, afirmou ele.


"Deixe eles tentarem para que, mais tarde, nenhum cidadão da Ucrânia possa ter nenhuma dúvida de que eu, como presidente, tentei parar a guerra", afirmou o ucraniano.


Inicialmente, Zelensky se negou a enviar uma comitiva para encontrar os russos por acreditar que o local escolhido, a cidade de Gomel, na Belarus, não seria território neutro (as tropas russas que invadiram a Ucrânia pelo norte do país partiram justamente da Belarus).


Informações do G1 Globo.