Principio de incêndio é contido em box improvisado na Praça Pinto Martins, a favela! - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

Principio de incêndio é contido em box improvisado na Praça Pinto Martins, a favela!



O comerciante do mercado público de Camocim, Diego Thaim, informou que ontem (27), a fiação elétrica improvisada do estabelecimento de um dos feirantes instalados na Praça Pinto Martins [próximo ao Avião] por pouco não provocou um incêndio após um curto-circuito. 


 “Graças a Deus, um rapaz desligou a chave geral e o fogo não se expandiu”, disse o comerciante enfatizando que” o centro comercial de Camocim não existe nenhum item de segurança para combater incêndio. 



Os feirantes do Mercado Público ocupam há 05 anos — desde 2017 —  toda a extensão da Praça Pinto Martins, por consequência  da construção do famigerado “mercado de 02 andares” — rejeitado pelos trabalhadores por não dispor de estrutura suficiente para acomodar as mercadorias e por outras questões. 


Na Praça, os trabalhadores tiveram que improvisar seus estabelecimentos, que funcionam inadequadamente e em condições precárias de infraestrutura. O local ficou conhecido como “favela da praça Pinto Martins”. 


Recentemente a Prefeitura sinalizou a conclusão da obra do novo mercado, no entanto,  não divulgou datas para proceder com a mudança dos feirantes, que seguem rejeitando as novas acomodações. 


Apesar da polêmica, o governo municipal adotou o silêncio como resposta aos críticos e aos feirantes. A obra foi estimada em mais de R$ 5 milhões. 



Carlos Jardel