Assessores esperam que Bolsonaro não ataque Alexandre de Moraes - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos






Para mais mais informações, clique na imagem





segunda-feira, 31 de janeiro de 2022

Assessores esperam que Bolsonaro não ataque Alexandre de Moraes



Depois de faltar ao depoimento na Polícia Federal determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes na sexta-feira (28), o presidente Jair Bolsonaro evitou atacar o magistrado no fim de semana. Assessores palacianos esperam que o Bolsonaro mantenha essa postura, a fim de não contribuir para a volta de um clima de guerra entre Executivo e Judiciário em pleno ano das eleições.


Na avaliação de auxiliares do presidente, ele já mandou o recado que desejava, ao não comparecer ao depoimento no inquérito que investiga se Bolsonaro vazou dados sigilosos relacionados às urnas eletrônicas, e foi aconselhado a não acirrar ainda mais os ânimos pela ala moderada do governo. Já os radicais esperavam exatamente o contrário, que ele disparasse críticas ácidas contra Moraes.


A novela do depoimento ainda não terminou. A Polícia Federal deve informar oficialmente entre esta segunda (31) e terça-feira (1º) a ausência do presidente Jair Bolsonaro no depoimento agendado para 14h da última sexta-feira. Com isso, o ministro Alexandre de Moraes definirá os próximos passos do inquérito.


A princípio, como o ministro do STF recusou o recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) por perda de prazo, o depoimento continua na agenda do inquérito. A dúvida é se Moraes vai marcar uma nova data ou vai orientar a PF a concluir o inquérito, diante da decisão do presidente Bolsonaro de não comparecer na última sexta-feira.


Na volta dos trabalhos do Judiciário, nesta terça, o plenário deve analisar, por sinal, como deve ser o formato de um depoimento de um presidente da República. Se deve ser presencial ou pode ser por escrito. O Palácio do Planalto avalia que pode ter pelo menos uma vitória parcial neste julgamento. O Supremo decidiria que um presidente é obrigado a depor, mas a ele seria facultado responder por escrito as perguntas.


G1 da Globo