Após pressão, e por força de Lei, prefeita resolve ratear sobras do Fundeb com servidores da Educação - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Após pressão, e por força de Lei, prefeita resolve ratear sobras do Fundeb com servidores da Educação

 “O rateio corresponde a pouco mais da metade de uma folha de pagamento, contemplando, desta vez, a todos os servidores da educação, conforme manda a Lei 14.276/2021”.


O vereador Mário Roberto, autor do texto que segue, foi um dos parlamentares que mais cobrou da prefeita Betinha e da secretária da educação, o rateio das sobras do Fundeb. Igualmente, mostrou mês a mês, através de seus veículos de comunicação, os repasses do Governo Federal aos cofres públicos da educação de Camocim.  


— Sobras do FUNDEB sendo pagas nesta quarta-feira, dia 19/01, pela Prefeitura de Camocim.


O rateio corresponde a pouco mais da metade de uma folha de pagamento, contemplando, desta vez, a todos os servidores da educação, conforme manda a Lei 14.276/2021.


Lembramos que os repasses do FUNDEB tendem a crescer ainda mais em 2022, pois a complementação da União nesse ano é de 15%, quando em 2021 fora de 12% (em 2020 era de apenas 10%).


Com mais recursos, o ideal é investir em valorização constante e definitiva para todos os servidores da educação. Nesse sentido, são estratégias viáveis: dar reajustes para todos os servidores da educação, regularizar a progressão dos professores na carreira docente, implantar gratificação por deslocamento para todos os servidores da educação, melhorar a gratificação dos gestores escolares, valorizar categorias como motoristas, agentes administrativos e vigias com pautas de reivindicação relevantes.


Se a Prefeitura assim não o fizer em 2022, a saída serão novamente os abonos, sempre bem vindos, mas que, na verdade, são paliativos que não repercutem na vida profissional e para a futura aposentadoria do servidor.


Continuaremos acompanhando os dados mês a mês e apontando saídas para valorização concreta de todos os servidores.


A luta continua!