Um comentário sobre o vereador Dr. Rosivan - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





terça-feira, 21 de dezembro de 2021

Um comentário sobre o vereador Dr. Rosivan



Antes de adentrar no ponto principal da questão, algumas necessárias considerações. 


O vereador Dr. Rosivan, do PMN, sigla que compõe a bancada de oposição de Camocim, apesar de ser estreante na vereança, não é, digamos assim: tão novo no meio político.  Foi advogado da campanha eleitoral da ex-prefeita Monica, procurador do Município e  da Câmara de Vereadores.  Ou seja, orientou prefeita e presidente de parlamento. Além disso, é uma cara polido e de diálogo. Em resumo: tem bastante experiência e bagagem intelectual! 


No exercício do mandato, até o momento, ele tem se saído muito bem. Suas intervenções sempre muito bem preparadas e dentro da coerência pedida  pelo exercício da função de vereador  pertencente a um grupo politico de oposição. 


Bom, agora, adentrando no X da questão: o vereador Rosivan apenas destoou  de sua bancada na última sessão deste ano, quando se absteve da votação do parecer do TCE sobre as contas de governo da ex-prefeita Monica Aguiar, referente ao exercício financeiro de 2016. 


A ausência da justificativa de forma pública, impossibilitada naquele momento, infelizmente, abriu espaço para as especulações e até mesmo para as fak news. Em muitos grupos de WhatsApp, por exemplo, não faltou criticas, inclusive injustas, do tipo: “tá querendo voltar pra lá”.  Pra piorar, maliciosamente, a vereadora Iracilda, na hora, ainda jogou veneno, afirmando que Ele (Rosivan), em breve, vai regressar ao grupo Aguiar. [veneno destilado no oportunismo]


Mas, por que ele se absteve da votação? 


Respondo: porque no exercício financeiro de 2016 Rosivan era parte do Governo Monica, com o cargo de Procurador. Por tanto, votar contra esse parecer do TCE seria um tanto incoerente. Além disso, para o vereador, nada de grave constava no relatório do órgão de contas do estado.


Se abster, ao meu ver, foi algo nobre! Isso quando analisado do ponto de vista do “politicamente correto”., porém, é impossível desconsiderar que a análise da questão passa também pelas  circunstâncias  do contexto de acirramento permanente  entre os grupos que polarizam a disputa  pelo  poder politico em Camocim. Neste caso, a crítica acabou sendo inevitável ao vereador de oposição, que por essa ótica deveria ter 'chutado o pau da barraca' e ter votado afinado com a sua bancada, como  sempre fez. 


Ele teve um ano formidável na vereança! E obviamente não estou aqui para jogar terra na farofa de ninguém, apesar de acreditar que ele poderia ter fechado 2021 com chave de ouro! Mas, como bem falou o líder da oposição na Câmara, o emblemático Marcos Coelho: a oposição termina o ano "unida e forte". É isso que interessa pro grupo. 


Carlos Jardel