O nome da Rua Esperantina é uma prova da falta de consideração que Sérgio Aguiar tem por certas figuras ilustres de Camocim - Revista Camocim













quarta-feira, 22 de setembro de 2021

O nome da Rua Esperantina é uma prova da falta de consideração que Sérgio Aguiar tem por certas figuras ilustres de Camocim




Na edição de ontem (21) reproduzi aqui no blog a postagem do Camocim Pote de Histórias, publicada no dia 24 de fevereiro de 2019, contando o fato legislativo, ocorrido em 1996, que aprovou a modificação do nome da rua Esperantina para Rua José Siebra Lopes, projeto de autoria do vereador Kennedy Braga, hoje conhecido como Kennedy da Coelce.


A proposta, aprovada pelo Legislativo, em agosto daquele ano, nunca foi sancionada pelo poder Executivo.  O prefeito da época era o empresário Antônio Manoel Veras. No ano seguinte, 1997, Sérgio Aguiar, ex-vereador, assumiu a prefeitura e passou 08 anos governando. E o fato é que, de um modo ou de outro, a proposição do Kennedy foi sabotada, ou pelo prefeito Veras ou pela própria presidência do legislativo, que não reagiu ao gesto de indiferença do Executivo, ou pelos dois poderes juntos ao mesmo tempo. 


E onde quero chegar com essa contextualização? Resposta: na falta de consideração com os familiares do homenageado  e  no desrespeito com a memória do mesmo. 


Agora veja bem: de acordo com o registro do livro de ata, Sérgio Aguiar, na condição de vereador, na Tribuna da Câmara, chegou a "Parabenizar a iniciativa do Vereador Kennedy Braga por ter denominado a Rua Esperantina de Rua José Siebra Lopes".  Mas não passou disto: palavras ao vento! Pois com o poder de caneta de prefeito nas mãos, 5 meses depois, nunca procurou meios para garantir  a concretização da Lei, para fazer a justa homenagem ao comerciante que tanto colaborou com o desenvolvimento de Camocim e região em vários aspectos. 


Vale ressaltar que a família Siebra, na época, de cabo a rabo, era apoiadora da família Aguiar. E tudo que o prefeito Sérgio fez - registro para não ser injusto - foi nominar a quadra do Alba Maria com o nome José Siebra.  Porém, uma homenagem que esconde o nome ilustre do honorifico camocinense. Por que?  Porque a quadra é conhecida apenas como a "Quadra do Alba Maria". 


Sobre esse assunto, recebi o rico comentário de um dos netos do saudoso José Siebra, Neto Siebra, filho do amigo João Siebra. Leia: 


“Preservar a história de uma cidade vai além de reformas, construções e tombamentos de patrimônios históricos, mas, um cuidado com a propagação memorial de cada pessoa que contribuiu para que Camocim fosse o que é hoje. Fazer isso é retratar a fé, a garra e a esperança de um povo sofrido, mas, vencedor. Para que as gerações seguintes não fiquem sem saber quem foram pessoas como Sr. Zequinha Ximenes, Sr. José Osvaldo, ou propriamente dito o Sr. José Siebra, entre tantos outros que foram tão significantes, tanto na economia, como no desenvolvimento social de Camocim e região.”


Finalizo afirmando que a única preocupação do grupo Aguiar é preservar o próprio sobrenome. Basta olhar o absurdo de bens públicos que levam essa marca: praças, ruas, escolas, etc. Quem não lembra da vinheta imoral da antiga Rádio União de Camocim que dizia "Camocim Terra de Murilo Aguiar"?! 


O correto a dizer: "Terra onde morou Murilo Aguiar". Pois o bordão propagado dava sentido de "o dono da terra", por tanto, o patrão dos moradores.


Carlos Jardel  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.