Motivado pela vitória de Betão, o laranja do ficha suja James Bel, Martinópole volta a viver dias de terror e violência, com vandalismo a golpes de machado! - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os produtos

Clique na imagem e faça agora sua pré-inscrição. Vagas limitadas!


Para mais mais informações, clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem
R.General Tibúrcio, vizinho à Academia de Letras, Centro.Telefone: (88) 9 9422 2120.









terça-feira, 3 de agosto de 2021

Motivado pela vitória de Betão, o laranja do ficha suja James Bel, Martinópole volta a viver dias de terror e violência, com vandalismo a golpes de machado!

Dois homens encapuzados quebraram o busto do radialista Gleydson Carvalho na madrugada desta terça-feira 




Motivados pela resultado das urnas e pela politica de James Bel e de seu irmão Bel Júnior, que elegeram prefeito sua marionete, que atende pelo nome de Betão, apadrinhados pelo deputado estadual Sérgio Aguiar, dois homens encapuzados quebraram o busto do radialista Glaydson Carvalho na madrugada desta terça-feira (03).  Segundo populares, os bandidos estavam de motos e após o ato de vandalismo tomaram rumo ignorado. 


Na madrugada de segunda-feira (02) o monumento em homenagem ao comunicador já havia sofrido um atentado, também por homens encapuzados que pilotavam uma caminhonete branca. Eles tentaram derrubar a estátua com uma corda amarrada no veiculo. 


Gleydson Carvalho foi morto há seis anos, por dois homens, a sangue frio, de forma premeditada e encomendada, dentro da rádio Liberdade FM 90.3, em Camocim,  a mando dos dois tios de James Bel e Bel Júnior, Batista Dentista e Chico Dentista, foragidos, mas que estão com mandato de prisão preventiva.


As suspeitas é de que os dois estejam escondidos numa fazenda em Acaraú ou no Piauí sob a proteção dos dois sobrinhos políticos. 


O radialista foi morto porque denunciava fortemente os desmandos políticos da gestão do prefeito James Bel. 


O município de Martinópole volta com essa eleição a vivenciar o terror, a perseguição, a corrupção.


Carlos Jardel