CRIANÇA NASCE MORTA NO HOSPITAL DEPUTADO MURILO AGUIAR, E EM SEGUIDA MÃE NÃO RESISTE AO PARTO E MORRE - Revista Camocim

Postagem em destaque

Comunicado do Colégio Future: confirme sua matrícula até o dia 13 de dezembro.

Diante da grande demanda, aqueles que não confirmarem a matrícula poderão perder a vaga reservada. CONFIRMAÇÃO DE MATRÍCULA 2023 Pedimos a t...

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quarta-feira, 9 de agosto de 2017

CRIANÇA NASCE MORTA NO HOSPITAL DEPUTADO MURILO AGUIAR, E EM SEGUIDA MÃE NÃO RESISTE AO PARTO E MORRE

Este é mais um caso ocorrido no Hospital Deputado Murilo Aguiar que tem comovido a população e gerado sentimento de revolta nas pessoas. De acordo com as primeiras informações obtidas pelo blog, a gravidez da mulher, conhecida como Fátima, era de risco e a mesma não teria recebido a devida atenção do médico que lhe atendera. Durante o parto, após oito dias de sofrimento, a criança nasceu morta e a mãe, após o procedimento foi encaminhada com graves complicações em seu quadro de saúde para atendimento em Sobral onde faleceu ontem, terça-feira. 

Fátima era moradora do Assentamento Jatobá. Seu corpo será sepultado logo mais às 16h. Sua morte e da criança, tem sido amplamente lamentada e comentada nas redes sociais. Nos relatos, internautas que conheciam Fátima, culpam o atendimento do Hospital Deputado Murilo Aguiar.

A Roselena Uchôa, no Facebook, ao comentar o caso, lembrou que "gravidez não é doença". Até mesmo as que são consideradas de risco, quando devidamente acompanhada, realizado o pré-natal com exames periódicos, raramente chegam a comprometer a vida da mãe ou da criança. 

Uma questão

Apesar das lamentações, da comoção social, para que haja justiça, é necessário que os prejudicados formulem  a denuncia junto ao Ministério Público contra o Hospital. E façam o mesmo contra o médico junto ao Conselho Regional de Medicina. Caso contrário, outras vidas poderão ser ceifadas com a mesma naturalidade de sempre. 

Carlos Jardel