POLÍTICA CRIADA PARA FACILITAR ACESSO À INTERNET É DESCONHECIDA DA POPULAÇÃO - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




terça-feira, 2 de dezembro de 2014

POLÍTICA CRIADA PARA FACILITAR ACESSO À INTERNET É DESCONHECIDA DA POPULAÇÃO

Apenas um terço dos potenciais beneficiários do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) já ouviu falar dessa política pública, lançada em 2010 e cujo objetivo é levar para 35 milhões d
e famílias acesso rápido à internet, a um preço máximo de R$ 35. Essa é uma das conclusões de pesquisa do DataSenado, que investigou a qualidade dos serviços de banda larga.

Mesmo entre as pessoas que já ouviram falar no assunto, é quase nulo o interesse demonstrado pelo programa: 98% nunca tentaram contratar um serviço de acesso por meio do PNBL. 

O DataSenado ouviu 809 pessoas, residentes em todos os estados à exceção das capitais, entre os dias 29 de outubro a 12 de novembro. O objetivo da amostragem é conhecer a opinião dos moradores de cidades onde é mais precário o acesso à internet, exatamente o público-alvo do PNBL. 

- Os resultados são um indício de que o programa poderia ser ampliado e de que aparentemente há necessidade de maior divulgação – avaliou o estatístico do DataSenado Marcos Oliveira. 

A pesquisa também mostrou que há desníveis regionais no acesso à internet, motivados, em grande parte, por dificuldades financeiras e de infraestrutura. Apenas 11% dos pesquisados na Região Sul declararam não ter internet em casa; número que sobe para 43% na Região Norte.

Agência Senado