CONGRESSO PROMULGA PEC QUE AUMENTA REPASSE DO FPM EM 1 PONTO PERCENTUAL - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

CONGRESSO PROMULGA PEC QUE AUMENTA REPASSE DO FPM EM 1 PONTO PERCENTUAL

As Mesas da Câmara e do Senado promulgaram, nesta última terça-feira (2), a Emenda Constitucional (EC 84/14) que aumenta em um ponto percentual os repasse
s de impostos federais ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Com o acréscimo, a União passa a transferir às prefeituras 24,5% da arrecadação líquida com Imposto de Renda e Imposto sobre Produtos Industrializados. Pelo texto, em julho de 2015, passa a vigorar metade do novo repasse e, em julho de 2016, a segunda parte. 

Segundo o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, o aumento das transferências assegura entre R$ 1,5 bilhão e quase R$ 2 bilhões para os municípios a partir de 2015 e 2016: 

"Nós queríamos que fosse de 2% esta elevação. Mas diante das dificuldades vividas pelo país, o governo foi sensível e aqui o reconhecimento do governo federal por ter, na discussão, a sensibilidade de ter 0,5% em 2015 e 0,5% em 2016. (...) Nos alegra (a promulgação), mas está muito aquém do que precisavam os municípios", ressalta. 

Henrique Eduardo Alves lembra que, nos últimos anos, os municípios têm enfrentado situação cada vez mais difícil para honrar compromissos e responsabilidades. "O município foi assumindo demandas e responsabilidades nos últimos anos, sem ter contrapartidas necessárias para honrá-las e cumpri-las. Sobretudo municípios do Norte e Nordeste, que dependem do FPM, e mal estão conseguindo honrar compromissos e pagar servidores, sem autonomia para atender necessidades das cidades." 

O aumento das transferências ao FPM tem sido reivindicado há vários anos em movimentos como a Marcha dos Prefeitos. A Confederação Nacional dos Municípios defendia, inicialmente, um aumento de dois pontos percentuais.

Ceará News