DE MANSINHO, GLOBO INVESTE EM GOLPE E PRECONCEITO - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 6 de novembro de 2014

DE MANSINHO, GLOBO INVESTE EM GOLPE E PRECONCEITO


Na novela Império, emissora dos irmãos Marinho manda recado para os brasileiros; "Democracia é o pior dos regimes! Onde já se viu dar oportunidades iguais pra todo mundo?", indignou-se a personagem de Lília Cabral, no capítulo de ontem; na mesma cena, seu filho, interpretado por Caio Blat, desdenhou de nordestinos; texto de Aguinaldo Silva, que é de Pernambuco, contribui para disseminar ideias antidemocráticas e antipopulares

Uma cena da novela Império, da TV Globo, na noite desta terça-feira 4, chamou atenção em razão do atual cenário político brasileiro. Em meio a manifestações revoltadas de militantes tucanos, que defendem a intervenção militar no poder, o separatismo no País e disseminam o ódio contra nordestinos, após a derrota nas eleições presidenciais, a personagem de Lília Cabral criticou a democracia.

A declaração veio depois de uma discussão entre dois de seus filhos. Um deles, interpretado por Caio Blat, questionou o sucesso da irmã ao se envolver com um nordestino: "Ela se deu bem se envolvendo com um nordestino, um retirante, um borra botas?". Ele se cala em seguida ao ser lembrado pelo irmão, interpretado por Daniel Rocha, que o próprio pai deles é um nordestino.

Maria Marta, personagem de Lília Cabral na novela, dispara: "Isso é democracia, gente! O pior dos regimes! Onde já se viu dar oportunidades iguais para todo mundo? Esquecer que alguns têm mais direitos que outros por terem tido berço? Democracia, como diz o outro, é dar poder aos piolhos de comerem o leão. É triste, é o fim!".

No último sábado, um protesto em São Paulo pediu o impeachment da presidente Dilma Rousseff e defendeu o regime militar no País. Embora a intenção do autor de Império, Aguinaldo Silva, tenha sido a de ironizar os atuais acontecimentos, a mensagem contribui para disseminar ideias antidemocráticas e antipopulares. O dramaturgo é pernambucano e viveu na pele os anos de chumbo, chegando a ter obra censurada.