LEI QUE RECONHECE A CULTURA POPULAR COMPLETA 10 ANOS - Revista Camocim

Clique na imagem para enviar o seu curriculum

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

LEI QUE RECONHECE A CULTURA POPULAR COMPLETA 10 ANOS

                                                                      Mestres, e depois?
A lei que reconhece a cultura popular e seus mestres completa 10 anos, carregando antigos problemas 

Uma política que deu certo, mas que, ano a ano, deixa mais a desejar. Para agentes e pensadores ligados à cultura tradicional no Ceará, a política de valorização dos mestres das artes e saberes vem perdendo força e empenho do poder público nestes 10 anos, amargando problemas quanto a sua aplicação. A dificuldade em fomentar o repasse dos conhecimentos tradicionais às novas gerações e a necessidade de ampliação da Lei é reconhecida, até mesmo, pelo Governo do Estado, embora, ainda não haja uma sinalização real de mudança neste cenário. No embate de prós e contras, ainda assim, o saldo é positivo e os mestres cearense têm o que comemorar.
Raimundo Aniceto
A última ampliação da lei, aprovada inicialmente em agosto de 2003, se deu três anos depois, quando teve seu nome alterado para Tesouros Vivos da Cultura e inclusos, em seu texto, o reconhecimento de grupos e comunidades tradicionais. Com inscrições prorrogadas até o final de fevereiro, o edital para escolha dos mestres abre seleção para as únicas duas “cadeiras” ociosas, entre as 60 do total, após o falecimento de seus antigos ocupantes. Há ainda vagas para escolha de grupos e comunidades de saber tradicional. O acesso do público à relação com todos os contemplados é um tanto confusa, sendo de 2009 a última turma de diplomados divulgada no site da Secretaria da Cultura do Ceará. Continue lendo a matéria AQUI

Carlos Jardel