sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Rádio União e Betinha cometem crime Eleitoral ao promoverem propaganda eleitoral após periodo permitido no rádio

A Rádio FM União de Camocim desobedeceu a Legislação Eleitoral quando agendou a promoção de um debate de candidatas a prefeita para  a data de hoje, 13 de novembro. Conforme a Justiça Eleitoral, tal evento só poderia ser realizado até 03 (três) dias antes da data das eleições, no caso até ontem, dia 12 de novembro, quando se encerrou definitivamente a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV.

Ocorre que durante toda a semana a emissora divulgou o debate mesmo sabendo da proibição legal e que a candidata do MDB não iria comparecer por dois óbvios motivos:

1 - A emissora é madrinha da candidatura da Betinha, pois pertence ao grupo Aguiar, comandada pelo deputado Sérgio e pela prefeita Monica, adversários da candidata da oposição, por tanto sem credibilidade neste aspecto para promover este tipo de evento.

2- A data do debate, como já falamos,  atentava contra a Legislação Eleitoral. Desta forma o evento seria  na realidade um flagrante crime eleitoral.

Então, Euvaldete Ferro não compareceu a essa "armadilha" e mesmo assim a Emissora abriu os microfones para a candidata Betinha ferir a Legislação e fazer a sua propaganda politica no rádio, repito: de forma ilegal! 

Mesmo que  a Betinha e a Emissora aleguem que não foi debate - e não poderia ser -, e sim uma entrevista,  no entanto foi "propaganda politica no rádio", por que entrevista de candidato em rádio é propaganda politica, pois a mesma apresentou suas propostas e pediu votos, algo que  que está proibido fazer no rádio, repito, deste ontem, dia 12.  

Bom, mas se a Betinha e a Emissora insistirem em dizer que foi debate, estarão corretos e confessando o crime, por que a candidata debateu suas propostas com o radialista.

De todas as formas foi crime eleitoral cometido pela Emissora e pela candidata Betinha. 

O evento configura também abuso de poder econômico e politico, pois sendo a Emissora do deputado Sérgio Aguiar - e por lá até um pum só sai com sua permissão - o mesmo utilizou do seu poder para beneficiar sua apadrinhada Betinha. Alguém tem dúvida?

Não é a primeira vez que o grupo Aguiar e a candidata Betinha descumprem as regras da Justiça nesta campanha. Ela promoveu, quando não podia, evento de aglomeração, desrespeitando as orientações do Ministério Público e do Juiz Eleitoral bem como os decretos sanitários do governo Estadual.


Alô Ministério Público Eleitoral

Carlos Jardel

Nenhum comentário: