segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Em Tatajuba alunos continuam estudando em local improvisado há quase um ano

Alunos da  Escola de Ensino Fundamental Gregório Pedro Alexandrino, da  comunidade de Tatajuba, interior de Camocim, estão há quase 1 (um) ano estudando em lugares inapropriados devido a reforma da escola que se arrasta parecendo não ter mais fim.

Crianças do ensino infantil dividem o mesmo espaço da sede da associação comunitária  com outros alunos de series mais avançadas (fotos ao lado).

" É uma  porcaria. Muita poeira, quando é de manhã o mal cheiro de morcegos é horrível", reclamou a mãe de uma aluna.

"Não tem energia, não tem água -  a professora tem que levar uma garrafa com água para ficar distribuindo com as crianças -, os alimentos da merenda escolar ficam jogados no chão" completou.a mãe da criança do ensino infantil que diz não ter resposta alguma da direção da escola. 

Em março deste ano o Revista Camocim publicou AQUI uma matéria que tratava da reforma  da escola, que encontrava-se paralisada há três meses por falta de material e atraso no pagamento dos trabalhadores.

Alfinetada

A Secretaria da Educação, responsável pela obra, nunca se manifestou e vem empurrando o caso com a "barriga", pouco se importando com  a situação precária em que os alunos estão estudando. 

Já a prefeita Monica Aguiar, que irresponsavelmente entupiu a prefeitura de servidores temporários,  afogando a folha de pagamento apenas  para se beneficiar politicamente no período recente de campanha  eleitoral, também nunca se manifestou, nunca explicou para a população os motivos da demora desta forma.

Especialistas em construção dizem que 1 (um) ano é tempo mais do que suficiente para se construir uma escola, quanto mais para uma simples reforma. Ou seja: não existe argumento algum que justifique tamanha demora prejudicial para a educação escolar dos alunos.

Carlos Jardel

Nenhum comentário: