quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Cearenses realizam pesquisa para tratamento de câncer de útero buscando reduzir efeitos colaterais

Pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), que desenvolvem novo tratamento para o câncer de colo de útero, realizaram parceria com a Universidad Autónoma de Guerrero (UAGRO), no México, para produzir um medicamento mais eficaz e seguro. O remédio busca aumentar a eficácia e reduzir os efeitos colaterais do tratamento, conforme um dos coordenadores da pesquisa, doutor em ciências farmacêuticas, Josimar Eloy.

A pesquisa está em fase desenvolvimento e teve início no começo do mês, após o projeto ser aprovado em 30º lugar em edital financiado pelo governo mexicano, ao fim de setembro. O estudo já integra seis pesquisadores, sendo quatro do México e dois do Ceará.

Além de Josimar, pesquisador da área de nanobiotecnologia, e coordenador do Centro de Desenvolvimento e Ensaios Farmacêuticos (CEDEFAR) da UFC, também participa a doutora em ciências e docente do Instituto de Ciências da Saúde (ICS) da Unilab-CE, Raquel Petrilli.

Conforme o pesquisador, a proposta de desenvolvimento do nanomedicamento, chamado imunolipossoma, combina três substâncias: cisplatina, oxima esteroidal e a siRNA . A última tem sido uma das opções mais modernas para o tratamento de câncer por “silenciar” as partes genéticas associadas à progressão da doença. A terapia mais específica busca reduzir ao máximo os efeitos colaterais do tratamento. Além disso, o medicamento também vai ser ligado a um anticorpo seletivo às células do câncer. 

Dessa forma, somente as células doentes são atacadas pelo medicamento, possibilitando um tratamento mais efetivo e seguro.

Informações do Diário do Nordeste.

Nenhum comentário: