Ceará tem baixo risco de evolução da pandemia, afirma Comitê Científico - Revista Camocim

Postagem em destaque

Online Telecom promove Campanha Solidária para ajudar famílias carentes de Camocim

 Faça a sua doação e participe dessa corrente do Bem!  A Online Telecom lançou uma Ação Solidária para arrecadar alimentos que serão doados ...

sábado, 19 de setembro de 2020

Ceará tem baixo risco de evolução da pandemia, afirma Comitê Científico

Boletim divulgado pelo Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste nessa quinta-feira, 17, aponta que a situação epidemiológica no Ceará em relação à Covid-19 está em queda consistente de mortes e casos e que o Estado tem baixo risco de apresentar evolução da pandemia nas próximas semanas. O documento, que analisa dados até a último dia 12 de setembro, diz ainda que a reabertura da economia do Estado, iniciada em junho, não influenciou negativamente nos indicadores, deixando "poucos sobressaltos na evolução dos expostos".

Os dados avaliados por meio de gráficos indicam que a partir de julho ocorre uma quebra na linha de pessoas expostas ao vírus, o que significa que com as estratégias seguidas, o Ceará "caminha para zerar a circulação da Covid-19". O documento mostra que o número de novos casos no Ceará "evolui em menor taxa" e indica que há diminuição de casos ativos da doença em todo o Estado.

"A testagem é um ponto positivo e os modelos mostram números consistentes entre indivíduos testados e previstos. Segundo o modelo completo MOSAIC-UFRN, observou-se que a abertura foi gradual e controlada, e que existe um baixo risco na evolução da epidemia nas próximas semanas", diz o boletim.

Quanto à ocorrência de óbitos por Covid-19 no Estado, a avaliação do Comitê Científico aponta que o pico já passou e que há uma tendência de decaimento dos registros para as próximas semanas. Sobre as casos confirmados, é indicada a passagem do ápice, mas ainda é observado incremento de novas confirmações.

O boletim do Consórcio constata que todos os estados do Nordeste atingiram seus picos da pandemia. Mas apesar das diminuição do número de infectados em todos em toda a região, o risco da volta do aumento dos níveis da pandemia, o chamado efeito bumerangue, ainda não pode ser descartado. De acordo com as avaliações do Comitê, é possível que o índice de pessoas com a doença tenha decaído não só pelas medidas de isolamento social e instalação de novos hospitais, mas também por conta da infecção de assintomáticos, que é subnotificada.

Segundo a plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), já foram realizados 715.712 exames para detectar a doença no Estado, que conta com 232.950 casos e 8.795 mortes conforme atualização desta sexta-feira, 18. No Estado, 206.192 pacientes se recuperaram da doença. Segundo o balanço, três pessoas morreram de Covid-19 nas últimas 24 horas.

Informações do Jornal O Povo.

Nenhum comentário: