quinta-feira, 25 de junho de 2020

Seduc propõe volta das aulas presenciais em agosto; entidades apontam dificuldades para retorno


Mais de três meses após a suspensão das aulas presenciais de escolas no Estado do Ceará, em razão da pandemia da Covid-19, a Secretaria da Educação do Estado (Seduc) começa a delinear o retorno do ensino presencial. Ontem, a Pasta fez sua 1ª reunião com um Comitê Consultivo multisetorial - formado por 16 entidades - a fim de esboçar um plano para a retomada das atividades em sala de aula. A proposta inicial é de que os alunos retornem às escolas em agosto. A decisão é complexa e ainda será discutida.

As entidades consideram que pontos como: a distinta condição sanitária de cada região do Estado, com avanço de casos no Interior; as especificidades de cada etapa do ensino (infantil, fundamental e médio) para assegurar o distanciamento social dos alunos na etapa presencial; e garantia de verbas para estruturar as escolas diante da demandas de higienização; são algumas situações que devem ser consideradas e discutidas antes de um parecer definitivo sobre o período e a forma do retorno às aulas.

"Não temos ainda uma data, há uma previsão que seja para agosto, mas isso depende da determinação do governador, que escuta os especialistas em saúde", afirmou a secretária da Educação do Ceará, Eliana Nunes Estrela. Segundo ela, a proposta será discutida com o colegiado, mas tudo depende do cenário da infecção no Estado.

"Se tudo ocorrer bem, a previsão é nesse período. E é uma retomada gradual, não são todos os alunos, por isso a gente precisa ouvir a comunidade escolar para saber qual é a prioridade no momento", explica a gestora, ao pontuar que a Seduc propôs que, na primeira fase, voltem pessoas em quantidade igual a 25% da capacidade de cada unidade escolar.

Segundo Eliana Nunes Estrela, o objetivo do comitê é focar na legalidade do retorno, dando legitimidade a partir da troca de sugestões entre os diversos órgãos participantes, por isso, ainda não há uma previsão de quais séries retornarão primeiro, por exemplo.

Informações do Diário do Nordeste.

Nenhum comentário: