quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Justiça decreta quebra de sigilo fiscal e bancário de empresa da família do vereador de Granja Deoclecio.

É de conhecimento público que tramita na 1ª Vara da Comarca de Granja uma execução fiscal (processo n. 0002217-61.2019.8.06.0081) contra uma das empresas que pertencem a família do Vereador Deoclécio, tendo, inclusive, a mencionada firma já figurado no nome dele. Atualmente a empresa está no nome de sua esposa e de seu filho. 

Essa empresa deve aos cofres públicos de Granja quase R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), e simplesmente permanecem inadimplentes, desconsiderando a execução em andamento. Esse dinheiro pertence ao povo de Granja, o que significa que a mencionada empresa desfalca os cofres do município, dinheiro que poderia ser destinado ao benefício da população granjense.

Até agora nenhum centavo foi pago, mesmo tendo a mencionada empresa recebido mais de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) de crédito da Enel, valor esse que até agora ninguém sabe para onde foi.

Os proprietários parecem estar despreocupados com a execução, já que não se manifestam no processo e nem demonstram intenção de quitar sua dívida fiscal. 

Todavia, o Exmo. Juiz responsável pela ação já determinou a quebra do sigilo bancário da empresa para saber onde se encontra o dinheiro que a empresa recebeu da Enel e que seria mais do que o suficiente para satisfazer a execução fiscal. Se tratam de empresários que mesmo tendo condições de pagar o que deve ao município, não o fazem. 

O Vereador Deoclécio deveria, como parlamentar e representante do povo, e já que a empresa pertence a sua família, ser exemplo de honestidade e boa-fé. Mas o que se mostra é exatamente o contrário, ou seja, uma tentativa de surrupiar o crédito público! Para quem se diz pré-candidato a Prefeito de Granja, tendo intenção de ser Chefe do Executivo, e supostamente (no discurso) trabalhar em prol do povo, as atitudes mostram o contrário, na medida em que, repita-se, a empresa que pertence a sua família busca, na verdade, desfalcar o fisco municipal.

Carlos Jardel

Nenhum comentário: