quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Com boa quadra chuvosa e fora do lockdown, agro cresce 16,9% no CE

Na contramão do que vivenciaram os serviços e a indústria, a agropecuária no Ceará atravessou incólume a pandemia do novo coronavírus, conforme revelam os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2020, divulgados ontem (22) pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

Enquanto o PIB cearense caiu 13,2% no segundo trimestre frente ao primeiro e 14,5% em comparação a igual período de 2019, a agropecuária cresceu 16,9% e 18,8%, respectivamente, sob influência das chuvas e da manutenção das atividades durante os meses de isolamento social.

A assessora técnica do Ipece, Cristina Lima, pontua que o resultado foi impulsionado por algumas culturas específicas e bons resultados na pecuária, com destaque para a produção de aves.

Na agricultura, os destaques ficam por conta da produção de milho, arroz e feijão. Em relação às frutas, Cristina frisou a produção de maracujá, destacando a boa distribuição de chuvas no Estado.

"A gente já teve um ano de 2020 com chuvas muito favoráveis, tanto no volume de água como na distribuição e isso favoreceu bastante o nosso desempenho nesse período", detalha.

O presidente da Câmara Setorial de Agronegócio da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Amílcar Silveira, corrobora a avaliação sobre a relevância das chuvas para os bons resultados do setor no período e acrescenta que a agropecuária não parou durante a pandemia.

"Este ano será muito bom. Não tínhamos água, a gente vinha em uma sequência de secas", detalha.

"Acreditamos que nos próximos dois anos nós teremos resultados muito positivos no setor agropecuário", projeta, pontuando que o crescimento das exportações alavancaram a demanda e também os preços.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec), Flávio Saboya, também atribui os bons resultados ao fato de o setor não ter parado durante a pandemia.

Ele também lembra que, quando a pandemia chegou ao Ceará, a safra já estava plantada.

O auxílio emergencial que ajudou a impulsionar a demanda por frango e os bons resultados da pecuária também são apontados pelos analistas do Ipece como elementos-chave nos resultados da economia cearense em 2020. O PIB deste ano foi revisado de -4,92% (projeção de junho) para queda de 4,35%.

O consumo de alimentos terá forte influência na melhora da economia local no próximo semestre, segundo o Ipece.

"O que observamos em junho já aponta para a direção de redução da queda da atividade em 2020", detalha Nicolino Trompieri, coordenador de Contas Regionais do Ipece.

Informações do Diário do Nordeste.

Nenhum comentário: