sexta-feira, 3 de julho de 2020

Promessas politicas: novos personagens e o mesmo discurso!

Por Silva Camocim

Mais uma vez, no Brasil, é chegado o momento de ir às urnas para votar. O voto é de suma importância, pois ajudará a decidir o futuro do país. E numa dessas noites de foguetes, ou melhor, de campanhas políticas, de repente, me vejo na mesmice de olhar as passeatas, comícios, discursos e propostas dos candidatos, se é que tem.

Mas como sempre, observam-se as mesmas promessas e os discursos afinados dos candidatos diante da oratória vocabular impecável, muito embora o povo nada entenda. Nas falas de cada candidato, a língua funciona como uma navalha cortante diante das insistentes trocas de acusações entre os partidos adversários.

Seu Prometeu, homem experiente e conhecedor das artimanhas políticas, novamente, tenta sua segunda reeleição pela prefeitura da cidade. Ele, mais uma vez, promete: “se ganhar esta eleição vou construir 40 escolas, 11 creches, 15 novos postos de saúde e 12 hospitais de pequeno e médio-porte. Também, vou gerar 1.000 novos empregos e urbanizar a cidade.

Diante desse quadro cheio de promessas, percebe-se que na atual conjuntura política do país há, ainda, velhas oligarquias, velhos caciques e novas formas de coronelismos que assolam nossos municípios, beneficiando aos grandes e oprimindo aos pequenos. Esse predomínio, na verdade, é o que acontece em muitas pequenas cidades desta imensa nação brasileira.

No palco, diante da retórica política afinada dos candidatos, observam-se a embriaguez da população seduzida pelos discursos vazios das propostas fantasiosas. Também pudera! Em meio aos sons, agitações, folias, euforias e fogos de artifícios fica até difícil pensar, dizem. Mas, olhando bem, não há tanta novidade nesta questão porque na verdade o que ocorre é um jogo de interesses pessoais, em que  os candidatos só pensam em levar vantagens.

E nesse jogo político hodierno, há, ainda, severas e duras trocas de acusação entre um político e outro, tudo pela disputa do trono, ou melhor, do poder público municipal, estadual e/ou nacional. Infelizmente, as campanhas eleitorais são uma verdadeira maratona no Brasil, nem sempre são honestas, mas quem chegar primeiro vence.

Nenhum comentário: