quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Em vídeo, filha de prefeito assassinado critica deputado do DEM


Em vídeo que tem circulado nas redes sociais, a filha do ex-prefeito de Acaraú, Cíntia Ferreira Gomes, 48 anos, critica o primo, o deputado estadual João Jaime (DEM), a quem acusa de manter conversas com um dos supostos mandantes do assassinato do pai.

Na gravação, Jaime e Cíntia estão em um restaurante na área nobre de Fortaleza. Ela então se dirige até a mesa onde o parlamentar está jantando com o correligionário Aníbal Gomes.

“Isso é absurdo. Esse cara foi indiciado pelo assassinato do meu pai, em 1998”, grita Cíntia. “O prefeito de Acaraú foi assassinado, e está aqui o deputado João Jaime”, aponta, “sobrinho do meu pai, na mesma mesa”.

João Jaime Ferreira Gomes Filho, então prefeito do município, foi morto a tiros aos 53 anos em 8 de maio de 1998, em Fortaleza.

Executores do crime, Francisco de Assis Mendes Barbosa e André de Castro Neves Feitosa foram presos e condenados a 15 e 17 anos de prisão, respectivamente. Ambos cumpriram suas penas no Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira (IPPOO).

Finalizado ainda em 1998, o inquérito policial conduzido pelo delegado Wilder Brito concluiu que os pistoleiros teriam ligação com os primos do prefeito, entre os quais estaria Aníbal Gomes, contra quem foi aberta investigação que tramitou no Supremo Tribunal Federal (STF).

À reportagem, João Jaime afirmou que o encontro no restaurante se tratava de uma reunião do partido, da qual também participaram Antonio Ney e Idemar Citó, tesoureiro da legenda, e não um evento pessoal. “Eu não tenho relação (com Aníbal)”, acrescentou.

Aníbal é irmão de Amadeu Ferreira Gomes Filho, também indiciado pela morte de João Jaime Ferreira Gomes Filho (de quem era vice-prefeito), e do deputado estadual Manoel Duca da Silveira (PDT), outro dos que foram investigados pelo crime na época.

O Blog Política tentou contato com Aníbal Gomes e Cíntia Ferreira Gomes, mas, até o momento, as ligações não tiveram retorno.

Blog de Politica do O POVO

Nenhum comentário: