domingo, 30 de abril de 2017

BELCHIOR: UM CORAÇÃO SELVAGEM NO MEIO DE UMA GEOGRAFIA IMPOSSÍVEL.



por Juliana Magalhães
publicado no dia 12 de setembro de 2016, no Pilhasd e Pilhérias

– E aquele poeta, moreno e latino, que, em versos de sangue, a vida e o amor escreveu… Onde é que ele anda?

– Ninguém sabe dele…
– Fez uma viagem ?
– Não, desapareceu.

Belchior parece conhecer a fúria da vida como pessoa sensível que é ao reconhecer que os aspectos da vida da forma que é (im)posta ainda não possui oxigênio, espaço e afabilidade o bastante para adequar-se a sua rebeldia. Poucas pessoas conseguem enxergar, compreender e deixar escorrer pelos poros e pelas tintas das canetas as modulações implacáveis da vida. É preciso saber sentir, saber chorar, é preciso ser atingido por dores que parecem insuportáveis, buscar a poesia inalcançável da realidade viva e não encontrá-la nunca. É preciso ter a consciência lúcida de que a vida ignora a fragilidade dos corações , e consequentemente os atropela de diferentes formas – todas frívolas -.Meu bem, talvez você possa compreender a minha solidão O meu som, e a minha fúria e essa pressa de viver. Não adianta apelar para Deus ou pedir a vida para que pise devagar. Pouco importa se o coração é como vidro ou feito beijo de novela, e o ”pouco importa” é o que direciona os descontentamentos dessa sensibilidade que se confronta o tempo inteiro com um mundo colérico e apático. Viver é ser atropelado diversas vezes, Belchior.

O que fazer quando não se cabe na própria vida, no próprio corpo, na própria alma ou na própria canção? Onde estão as repostas, as vias, as saídas quando não há evasões razoáveis que respeitem os desejos e as velocidades? Talvez na ausência.Não quero o que a cabeça pensa eu quero o que a alma deseja. Arco-íris, anjo rebelde, eu quero o corpo tenho pressa de viver. Belchior deseja o desejo de forma pura, nua. É subversivo ao afirmar não querer o que a cabeça pensa e que anda pelo caminho errado pela simples alegria de ser. Como viver no mundo sem a racionalidade de se guiar pelo que a cabeça pensa? Não é viável, Belchior. Não sem uma angústia violenta. Mas Belchior quer o que a alma deseja ainda que não encontre a alma nas coisas.

Não há a profusão de sensações tencionadas no cotidiano, e essa é uma condição de desolação em que Belchior vê o amor esvaziando-se e canta a diminuição do sentimento que mais importa: o amor. E no escritório em que eu trabalho e fico rico, quanto mais eu multiplico Diminui o meu amor. Como é avistar o que mais importa em uma vida ruindo-se e indo embora pela veemência morta do cotidiano? Talvez fugindo dele e aceitar a perversa – e imutável – juventude do coração que compreende apenas um universo restrito e vulnerável em demasia. Escreva a frase que só entende o que é cruel e o que é paixão em uma folha de papel e reflita sobre a aflição de possuir um coração que só capta essas emoções tão divinas e tão quebradiças. Não é fácil conceber o infinito de Belchior.

Belchior cansado do peso da cabeça, tem medo da hora da verdade que ele sabe – dentro de si e da canção – que vai chegar, fazendo-o andar de mãos dadas com a solidão, que talvez seja a sua grande – e paradoxal busca – depois do amor. Belchior não estava cabendo no mapa do Brasil. Ele tem medo de Minas Gerais, de Vitória, de Goiás, de São Paulo, da Bahia e de todos os estados do país. Todos esses lugares parecem não sustentar um coração selvagem onde há dor e silêncio. Belchior quer o novo momento, quer jogar tudo fora e fugir. Quer pegar um avião ou um navio para um lugar onde um jovem como ele pode amar e ser feliz. E adivinha? Ele procurou passagem e não havia linha praquele país.

Belchior parece ser feito de buscas intermináveis.Faz da existência um lugar grandioso demais para deixar-se um deserto árido. Ainda não há superfície que abrigue o deslugar, a pulsação e a intensidade de um homem como Belchior. Perder-se no mundo foi o único jeito de se encontrar. Ainda que ele continue perdido.

Nenhum comentário: