Vereadores de Paracuru são alvo de operação por suspeitas de 'rachadinha' e lavagem de dinheiro - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quinta-feira, 18 de agosto de 2022

Vereadores de Paracuru são alvo de operação por suspeitas de 'rachadinha' e lavagem de dinheiro



A Polícia Civil cumpre, na manhã desta quinta-feira (18), mandado de busca e apreensão na Câmara Municipal de Paracuru e outros endereços da cidade em uma ação por suspeita de peculato, crimes contra administração pública e lavagem de dinheiro envolvendo um grupo de vereadores do município.


A operação "Salário Sagrado" investiga a prática de "rachadinha", quando parte dos salário de servidores são devolvidos ao gabinete de parlamentares. 


A ação de investigação da Polícia identificou ainda, de acordo com as autoridades, que um familiar de uma vereadora "agrediu e ameaçou de mortes" testemunhas. O intuito, segundo foi informado pelos policiais, era de "tentar atrapalhar o trabalho policial em andamento".


RACHADINHA


A investigação teve início após denúncias de servidores alegando que estavam sendo extorquidos por vereadores a devolver parte de seus salários.


As autoridades indicam que alguns parlamentares montaram um esquema de corrupção dentro de seus gabinetes com a finalidade de se beneficiar financeiramente, de forma indevida, de parte e/ou da totalidade dos salários de servidores comissionados, o que popularmente se conhece como esquema da “rachadinha”.  


OPERAÇÃO


No total, são cumpridos onze mandados de busca e apreensão, se um deles na sede da Câmara Municipal de Paracuru. São ainda quatro mandados de monitoração eletrônica - quando a investigação pede que sejam colocadas tornozeleiras eletrônicas em suspeitos. 


A polícia também determinou bloqueio de contas em bancos e que oito pessoas fossem afastadas de exercer função pública.


A operação é desenvolvida pela Delegacia de Combate à Corrupção (Decor) do Departamento de Recuperação de Ativos (DRA) com o apoio do Gabinete do Delegado Geral e dos Departamentos de Polícia Judiciária Metropolitana (DPJM) e da Capital (DPJC).


Diário do Nordeste