segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Altman: errou quem previu a morte do PT




Sobre o PT

Sairão derrotados e desmoralizados nessas eleições também aqueles que vaticinavam, à esquerda ou à direita, a morte ou a marginalização do PT. 

Ao resultados das urnas terão que sucumbir, ou se desmoralizar ainda mais, quem previa ou constatava o isolamento deste partido, seu enfraquecimento inevitável, sua decadência como força protagonista do campo popular ou até sua superação. 

O PT é a maior ferramenta que a classe trabalhadora construiu desde a derrota estratégica do PCB em 1964. 

Podendo usufruir de condições legais que jamais os comunistas liderados por Luiz Carlos Prestes tiveram, transformou-se em partido de classe e de massas. 

Ainda que seu programa e sua ação política possam ter equívocos graves e confusões tanto sobre o destino que propõe quanto sobre os meios de alcançá-lo, o PT expressa, como nenhum outro partido em nossa história, a identidade dos trabalhadores e dos pobres, da cidade e do campo. Suas raizes são profundas e é de enorme amplitude sua capilaridade. 

Ao fim e ao cabo, a classe trabalhadora sempre defenderá o partido que lhe pertence, no qual se reconhece e pelo qual luta por uma sociedade mais justa, soberana e democrática. 

Não é à toa que qualquer aposta contra o PT, mais cedo ou mais tarde, direta ou indiretamente, por melhores ou piores que sejam as intenções, se transforma em uma aposta contra os trabalhadores e seu protagonismo político. 

O PT rompeu, ao nascer e se consolidar, o velho esquema da hegemonia burguesa no Brasil, ao qual desde 1935 boa parte da esquerda vinha se acostumando, que constrangia a disputa pelo poder a frações das classes dominantes, com os trabalhadores e seus partidos servindo de força auxiliar aos setores supostamente mais progressistas. 

Quando foi necessário, o PT fincou pé nessa função política, a da independência da classe. Exemplos notáveis: a recusa em participar do Colégio Eleitoral em 1985 e a defesa da candidatura de Lula até o limite em 2018, quando muitos preconizavam que o partido deveria ceder vez a forças centristas. 

Diversas eram vozes que imaginavam irrecuperável a situação petista depois do golpe e das eleições municipais de 2016. 

Que ledo engano. 

A fortaleza do PT está exatamente em suas raizes classistas, que jamais devem ser subestimadas e das quais Lula é o inconteste porta-voz. 

Quem não entender essas características e circunstâncias, continuará pela vida a passar vergonha, quando fizer afirmações sobre o Partido dos Trabalhadores.

Nenhum comentário: