quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Contratação relâmpago - "passada a eleição, contratados serão demitidos por telefone", disse o vereador Juliano

A culpa será do Instituto de Gestão e Cidadania


Caros amigos e amigas camocinenses. Venho por meio desta nota informar as pessoas que estão sendo contratadas de forma relâmpago pela Prefeitura de Camocim, através do instituto IGC (Instituto de Gestão e Cidadania), que as mesmas estão sendo ludibriadas pela Prefeita Monica Aguiar. Digo isso porque o intuito da Prefeita é somente de contratar essas pessoas durante o período eleitoral e angariar votos em prol da candidatura do seu marido, deputado Estadual Sérgio Aguiar. Passou a eleição, todos os servidores serão demitidos por por telefone, como tem sido feito nos últimos anos. E o mais grave: dessa vez a culpa será do Instituto IGC, e não da Prefeita Monica  Aguiar e nem do deputado Sérgio Aguiar.

A prova de que alguns servidores contratados pelo Instituto  IGC não possuirá qualquer vínculo com o município dá-se no momento em que o INSS não será descontado do salário do servidor, ou seja, de fato não existirá nenhum vínculo entre o servidor contratado pelo IGC e o Município de Camocim, podendo referido servidor ser demitido a qualquer tempo, sem puder reivindicar seus direitos junto ao Município de Camocim. Outros servidores estão sendo contratados através de Estágios, visando, além de não caracterizar o vínculo entre o servidor contratado e o município de Camocim, sonegar as contribuições previdenciárias da União Federal (crime federal).

Outra coisa, a Prefeita anda dizendo aos servidores que estão sendo contratados temporariamente que os mesmos não poderão ser demitidos após a eleição, porque estamos em período eleitoral. Meus amigos, trabalhadores e trabalhadoras camocinenses, vocês acham que se isso fosse verdade a Prefeita Mônica Aguiar poderia está contratando servidores após o dia 7 de julho, data em que se inicia a proibição de qualquer contratação pela Lei Eleitoral? Isso tudo é uma farsa! Se engana quem quer! vergonha! 

Nenhum comentário: