segunda-feira, 12 de março de 2018

APEOC/Camocim pede execução da nomeação de concursado/2012

O processo está concluso ao Juiz e deverá ser alvo de decisão em breve

Na última semana de fevereiro, o “drama” dos aprovados no Concurso Público de 2012 registrou mais um importante passo. Representando o Professor Gerson Araújo de Sousa (associado do Sindicato APEOC – Camocim), o Dr. Ítalo Sérgio Alves Bezerra requereu a execução provisória da sentença que determinou a imediata nomeação do referido docente no cargo de Professor da Educação Básica I – Sede. 

De diversos meios, desde 2013, a Prefeitura Municipal de Camocim tem insistido na infeliz e perversa ideia de opor-se à nomeação dos aprovados no Concurso de 2012. Por sua vez, os aprovados tem travado, com a devida resistência, uma batalha na justiça, o que tem sido acompanhado de sucessivas vitórias. Por uma frente, avança a ação civil pública, com julgamento pendente no STJ. Por outra frente, avançam os mandados de segurança. 

Dentre as dezenas de mandados de segurança, o do Professor Gerson já teve decisão transitada em julgado, o que possibilita, segundo a legislação em vigor, a execução provisória. Em outras palavras, pede-se agora na 2ª Vara de Camocim a imediata nomeação. 

O processo está concluso ao Juiz e deverá ser alvo de decisão em breve, o que poderá reacender ainda mais as esperanças dos aprovados no certame de 2012 e a certeza de que a Justiça está ao lado de tantos injustiçados, alvos de governos que, pensando no clientelismo político, pisam no direito, destroem sonhos e desprezam as necessidades de tantos cidadãos de bem. 

Num cenário marcado pela grande falta de servidores nas instituições públicas e que, por conseguinte, afeta seriamente a qualidade dos serviços estatais, coerente seria que a Prefeitura de Camocim parasse de lutar contra os aprovados no Concurso de 2012. O Município precisa urgentemente dessas pessoas. Os aprovados no Concurso e suas famílias precisam dar um rumo à própria vida. A cidade precisa de pessoas que tenham estabilidade no serviço público, evitando a mazela financeira que as instáveis contratações temporárias tem trazido ao comércio e ao setor de serviços locais. Ao final, todos ganhariam com isso! Custa reconhecer isso e mudar de rota? Isso sim combinaria muito mais com o “cuidar de todos”, slogan adotado pela gestão atual. 

Nenhum comentário: