terça-feira, 8 de novembro de 2016

VIOLÊNCIA CONTRA JORNALISTAS: NA RÉGUA DA IMPUNIDADE, BRASIL É O 9º PIOR DO MUNDO

“De todas as razões que levam à violência contra jornalistas, a mais importante é a impunidade, a falta de investigação dos atos de violência e dos assassinatos de jornalistas”, disse Frank La Rue, subdiretor geral de Comunicação e Informação da Unesco, em um vídeo alusivo a 2 de novembro, Dia internacional pelo fim da impunidade dos crimes contra jornalista. “Toda vez que um ato de violência permanece sem investigação, sem culpados, sem julgamento, sem punição, é um convite não só para que aconteça outro caso, mas para que ocorram muitos mais”.

Desde que foi criado pela ONU em 2013, a cada 2/11 a Unesco lidera as comemorações desse dia, clamando para que Estados “implementem medidas firmes para combater as atuais tendências de impunidade”, como observa a resolução da ONU.

No Brasil, a Artigo 19 celebrou a data com a divulgação do relatório O Ciclo do Silêncio: impunidade em homicídios de comunicadores no Brasil. O objetivo da publicação é analisar o contexto de impunidade nesse tipo de crime no País. O estudo examina as principais características de 12 casos de homicídio de radialistas, blogueiros, jornalistas e fotojornalistas monitorados pela entidade entre 2012 e 2014 e que constam nas edições anuais de seu relatório Violações à Liberdade de Expressão.

Para corroborar com a percepção de que o País tem sido violento com seus jornalistas, pesquisa da CPJ, divulgada no final de outubro – também em alusão ao dia 2 de novembro –, aponta Brasil e México como os mais violentos da América Latina.

Para compor o índice, o Comitê para Proteção dos Jornalistas conta o número de assassinatos não solucionados de jornalistas, em um período de dez anos, como uma porcentagem em relação à população do País. Dos 13 países que fazem parte do índice este ano, o México ocupa o sexto lugar e o Brasil, o nono.

Portal dos jornalistas

Nenhum comentário: