terça-feira, 22 de novembro de 2016

QUEM ATENDER PRIMEIRO? QUEM ESTIVER COM MAIOR RISCO DE MORTE. É A REGRA DO SUS!

"Independentemente de quem quer que seja ou o que tenha feito, ao chegar em uma emergência hospitalar as pessoas serão classificadas de acordo com a gravidade da sua doença naquele momento e não pela cor de pele, classe social, ficha criminal, etc". 

por Stephanie Albuquerque (Foto).

A enquete promovida pelo programa Encontro com Fátima Bernardes, na Rede Gobo, gerou mais uma polêmica nas redes sociais. E esclarecendo alguns pontos para os leigos na área da saúde, e expressando uma opinião pessoal pautada em 5 (cinco)  anos de estudos na Enfermagem, vou tentar explanar um pouco: 

O Sistema Único de Saúde, grandioso como é, Universal, Integral e Equânime, está a disposição de todos. Porém, os recursos investidos não são suficientes quando comparados ao que se gasta principalmente na atenção Hospitalar (onde os gastos são maiores), e ainda levando em consideração os grandes desvios de verba que são retirados do SUS. Tudo isso não permite que o sistema tenha maior agilidade e eficácia no atendimento (a demanda é maior que a oferta, e, assim, para que se efetive o princípio da EQUIDADE é preciso que se atenda com mais agilidade aqueles que estão com maior risco de morrer. Para isso existem as classificações de risco, em que, de acordo com o risco de vida, serão atendidos os pacientes mais graves. Logo, afirmo e reafirmo que em qualquer lugar deste Brasil, todos os pacientes, independentemente de ser ou não traficante, de ser ou não policial, de ser ou não cidadão, de ser ou não um político corrupto, enfim, independentemente de quem quer que seja ou o que tenha feito, ao chegar em uma emergência hospitalar as pessoas serão classificadas de acordo com a gravidade da sua doença naquele momento e não pela cor de pele, classe social, ficha criminal, etc. Afinal, os profissionais que ali estão passaram um período acadêmico aprendendo que estão para salvar vidas e sem qualquer exceção, sempre respeitando a equidade (priorizar os que precisam mais, mediante o risco de vida que apresentam).

Sei que existem pessoas que não concordam com o que falei, mas estou apresentando a visão da área da saúde. E se por acaso você que está lendo, é da área da saúde e não concorda com isso, dou duas sugestões: 1- Procure outra área para atuar. 2- caso não queira sair da área, procure trabalhar no setor privado.

Nenhum comentário: