quinta-feira, 15 de setembro de 2016

SITUAÇÃO CAÓTICA NAS DELEGACIAS IRRITA CAMILO, QUE COBRA PROVIDÊNCIAS AO SECRETÁRIO DELCI TEIXEIRA

Irritado diante das últimas notícias na Imprensa acerca da situação caótica nas delegacias de Polícia Civil do Ceará, o governador do Estado, Camilo Santana (PT), cobrou, ontem, respostas e imediatas providências ao titular da Secretaria da Segurança Pública e de Defesa Social (SSPDS), Delci Teixeira; e do delegado-geral da instituição, Andrade Júnior. Fugas, rebeliões, greve de fome e outros episódios estão sacudindo o sistema desde a semana passada.

A cobrança de Santana veio nesta quarta-feira (14), dia em que, pelo menos, duas delegacias da Grande Fortaleza, registraram tumultos. No 11ºDP (Pan-Americano), houve um princípio de motim e tentativa de fuga. Já no 24º DP (Conjunto Jereissati II), em Pacatuba, os detentos iniciaram uma greve de fome, à exemplo do que está acontecendo na Delegacia Metropolitana de Maracanaú (DMM).

Já no Complexo das Delegacias Especializadas (CODE), no Bairro de Fátima, a situação permanece tensa mesmo após a transferência, ontem, de vários presos para o Sistema Penitenciário. Ali, dezenas de familiares de detentos estão acampadas desde o último fim de semana. Os presos estão revoltados diante da decisão dos policiais civis de não mais permitir a entrada de alimentos entregues pelos parentes dos presos.

Os policiais civis (inspetores e escrivães) permanecem em estado de greve – assim como os peritos criminais – e deflagraram a “Operação Polícia Legal”. Segundo o sindicato da categoria, cabe ao governo a responsabilidade pelo fornecimento da alimentação dos presos e não aos familiares destes. Além disso, a entrega de comida diariamente nas DPs potencializa, conforme os servidores, os riscos de entrada de drogas, armas e instrumentos usados para fugas, como serras. 

Ceará News

Um comentário:

René disse...

Entra governo e sai governo e continuam dando murro em ponta de faca. A PM tem sua importancia na segurança pública, mas deixar de lado a PC como fez Cid Gomes e continua fazendo Camilo Santana é dar um tiro no pé.
A policia judiciaria tem que ser reaparelhada, de gente e de equipamentos.
Houve um concurso com cerca de 750 vagas para os 3 cargos, ele nomeou 1/3, ale de mais de 6000 candidatos habilitados para serem convocados. Procurado por esse pessoal o governador alegou crise financeira para convocação. no mesmo mes anunciou concurso para mais de 4000 pms, conclusão, não há crise financeira e sim, erroneamente, investimentos apenas na policia ostensiva, que tem seu importantissimo papel na segurança publica mas tem seus deveres constitucionais, nao podem fazer os dois papeis.